Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Viagem de Fernão de Magalhães em Congresso Internacional

Os trabalhos decorrerão, no primeiro dia, na UTAD, e, no segundo dia, no Espaço Miguel Torga, em S. Martinho de Anta, Sabrosa. A sessão de abertura, presidida pelo Reitor da UTAD, Emídio Gomes, terá lugar pelas 10 horas, no auditório 1.10 da Escola de Ciências Humanas e Sociais (ECHS), onde decorrerão os trabalhos ao longo do dia. O objetivo é cumprir o fecho de um ciclo em torno da viagem de Fernão de Magalhães – Elcano (1519-1522).

866

Publicidade

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em conjunto com a Câmara Municipal de Sabrosa e a Estrutura de Missão do V Centenário da Primeira Viagem de Circum-Navegação, vai promover, nos dias 28 e 29 de novembro, o Congresso Internacional “A viagem de Fernão de Magalhães. Diálogos Interculturais, Científicos e Intertextualidades”.

Os trabalhos decorrerão, no primeiro dia, na UTAD, e, no segundo dia, no Espaço Miguel Torga, em S. Martinho de Anta, Sabrosa. A sessão de abertura, presidida pelo Reitor da UTAD, Emídio Gomes, terá lugar pelas 10 horas, no auditório 1.10 da Escola de Ciências Humanas e Sociais (ECHS), onde decorrerão os trabalhos ao longo do dia. O objetivo é cumprir o fecho de um ciclo em torno da viagem de Fernão de Magalhães – Elcano (1519-1522). Em ambos os dias, pela voz de especialistas em vários domínios relacionados com a temática, serão debatidos os seguintes temas: A imagem do Eu e do Outro nos territórios encontrados; O exotismo espacial, histórico e climático : a fauna, a flora e o clima; A globalização no século XVI e contactos interlinguísticos; Da ciência náutica à cartografia e arte de marear; Literatura de viagens e a sua projeção nas artes (teatro, cinema, pintura, escultura, música, videojogos etc.); Relações de poder, Transações comerciais e eurocentrismo.

Fernão de Magalhães, navegador português, nascido em 1480, notabilizou-se por ter liderado a primeira viagem de circum-navegação, de 1519 até 1522, ao serviço da Coroa de Castela. A expedição espanhola Magalhães-Elcano fez parte do processo de expansão marítima que foi impulsionado pelo desejo de se descobrir rotas que levassem às Índias em busca das especiarias. Magalhães não tinha a intenção de circunavegar a Terra, a sua intenção era navegar para o oeste para chegar ao leste (rota marítima para a Índia e chegar à ilha das Molucas). Acima de tudo, tratava-se de encontrar o caminho mais curto possível para as ilhas das especiarias, cuja localização exata era pouco conhecida na época devido ao sigilo estrito. O comércio extremamente lucrativo de especiarias com a Europa era compartilhado por mercadores indianos, persas, árabes, otomanos e venezianos por terra, e por mar por Portugal.

Magalhães aparelhou cinco navios com 234 homens de tripulação que partiram de Sanlúcar de Barrameda, em 20 de setembro de 1519. A tripulação era maioritariamente composta por espanhóis, mas havia também tripulantes com outras origens, designadamente, portugueses. A esquadra era formada pelas naus: Trinidad, San Antonio, Concepción, Santiago e Victoria, a única que concluiu a viagem de circum-navegação.

Publicidade

Fonte desta notícia: UTAD

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade