Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

UTAD antecipa o futuro com as “Territory Talks”

O território como um dos epicentros do futuro projetado pelo “Foresight Portugal 2030” é o mote do primeiro webinar. Será pela voz do seu coordenador – o economista José Félix Ribeiro – que serão aprofundadas as conclusões sobre o território nos cenários desenhados pelo “Foresight Portugal 2030”.

170

Publicidade

Traçar uma visão prospetiva dos territórios é o mais recente desafio que a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), através do seu Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD), vai lançar, ao longo dos próximos meses, a um conjunto de personalidades, investigadores e à própria sociedade civil. O ciclo “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)” arranca a 14 de junho, em formato online, gratuito e com transmissão em streaming.

O território como um dos epicentros do futuro projetado pelo “Foresight Portugal 2030” é o mote do primeiro webinar. Será pela voz do seu coordenador – o economista José Félix Ribeiro – que serão aprofundadas as conclusões sobre o território nos cenários desenhados pelo “Foresight Portugal 2030”. Num primeiro cenário, destaca-se a prevalência das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto. Num segundo cenário, haverá um papel dinamizador das cidades de média dimensão, enquanto o terceiro procura trazer mais-valia ambiental e histórica às zonas de baixa densidade populacional, tornando o território mais atrativo para novos visitantes, residentes e atividades.

O webinar “Foresight Portugal 2030: o território entra e conta?” decorrerá entre as 18 e as 19h, com moderação dos investigadores do CETRAD, Lívia Madureira e Luís Ramos. Esta será a primeira sessão descentralizada do “Foresight Portugal 2030”, depois de ter sido apresentado em fevereiro em Lisboa. Este estudo da Fundação Calouste Gulbenkian contou ainda com o contributo de Miguel Poiares Maduro, presidente do Conselho Geral da UTAD.

Até meados de 2023, haverá mais uma dezena de “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)”. A próxima está agendada para 12 de julho, antecipando como será o futuro de Portugal com o impacto das alterações climáticas.

Organizadas no âmbito do 20º aniversário do CETRAD, as “Territory Talks – Conversas sobre o(s) Futuro(s) do(s) Território(s)” serão um contributo para imaginar e/ou (re)pensar o lugar que os territórios podem e devem ocupar na construção de um cenário prospetivo, desejável e possível para Portugal, à luz dos grandes desafios societais, ambientais e tecnológicos do século XXI (a crise climática e a transição energética, o uso eficiente de recursos e a conservação da biodiversidade, a crise demográfica e a renovação geracional, a transformação digital da sociedade e da economia, a reconfiguração do modelo de globalização e a reindustrialização, entre outros).

“Foresight Portugal 2030”, uma análise prospetiva
Promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, o projeto “Foresight Portugal 2030” é um exercício de prospetiva social, económica, financeira, demográfica, ambiental, tecnológica, política para equacionar três cenários para o posicionamento de Portugal no futuro: um é numa linha de continuidade da situação atual e os outros dois são rumos alternativos para a próxima década. O “Foresight Portugal 2030” contempla três volumes: “Cenários de evolução para Portugal (continuidade, ajustamento e reposicionamento)”, “Enquadramento mundial e europeu”, “Portugal: ponto de partida”.

Licenciado em Economia e Doutorado em Relações Internacionais, José Félix Ribeiro foi o coordenador do projeto e autor de vários dos documentos preparatórios. Entre 1973 e 2012, fez carreira na Administração Pública em órgãos de estudo, prospetiva e planeamento. Também Miguel Poiares Maduro, enquanto presidente da Comissão Científica do Fórum Gulbenkian Futuro, acompanhou a realização do “Foresight Portugal 2030”.

CETRAD: duas décadas ao serviço da investigação aplicada ao Desenvolvimento Local e Regional

Sediado na UTAD, o Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD) está a celebrar 20 anos de existência, sendo a Unidade de Investigação e Desenvolvimento (UI&D) com maior longevidade da academia transmontana. Com mais de 100 investigadores, incluindo doutorados e alunos de doutoramento, o CETRAD tem apostado numa investigação transdisciplinar ao desenvolvimento local e regional, aplicada, sobretudo, em territórios rurais, periféricos e de baixa densidade populacional. Estes territórios acolhem 30% da população e representam 80% do território europeu. A sustentabilidade ecológica e social de mais de metade deste território, nomeadamente na Península Ibérica, no Leste e noutras regiões do Sul e Norte da Europa, dependem da sua sobrevivência demográfica. Este é um desafio social crucial para a sustentabilidade e coesão socio-territorial de Portugal e da Europa na década em curso.

O CETRAD está focado em ajudar a vencê-lo, aplicando abordagens inter e transdisciplinares inovadoras que visam contribuir para a construção de soluções de desenvolvimento sustentável e inclusivo ao nível local, capazes de gerar bem-estar para as populações locais e competitividade para as suas atividades económicas, mobilizando a inteligência coletiva local alavancada pela ciência e os seus dados convertidos em conhecimento acessível e contextualizado. Paralelamente, o CETRAD tem promovido formação avançada na área das ciências do desenvolvimento, nomeadamente através do seu programa doutoral em Desenvolvimento, Sociedades e Territórios. Apostando, por outro lado, na integração da sustentabilidade nos modelos de negócio da agricultura e do setor agroalimentar, através do seu programa doutoral em Agronegócios e Sustentabilidade.

Publicidade

Fonte desta notícia: UTAD

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade