Informativo Digital

Sitio online do Ministério da Educação pretende manter ensino à distância

Neste novo espaço, serão disponibilizados de forma continuada novos recursos, com o intuito de manter o processo de ensino aprendizagem em funcionamento, para que todos os nossos alunos continuem a aprender. Este apoio pretende manter o contacto regular com seus professores, consolidar as aprendizagens já adquiridas, desenvolver novas aprendizagens.

895

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Num momento em que as escolas portuguesas se encontram com as atividades presenciais suspensas, a Direção-Geral da Educação (DGE), em colaboração com a Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP), construiu o sítio https://apoioescolas.dge.mec.pt , com um conjunto de recursos para apoiar as escolas na utilização de metodologias de ensino a distância que lhes permitam dar continuidade aos processos de ensino e aprendizagem.

Neste novo espaço serão disponibilizados de forma continuada novos recursos, com o intuito de manter o processo de ensino aprendizagem em funcionamento, para que todos os nossos alunos continuem a aprender. Este apoio pretende manter o contacto regular com seus professores, consolidar as aprendizagens já adquiridas, desenvolver novas aprendizagens.

“Dada a grande diversidade de contextos, privilegiamos soluções que utilizem processos simples e não exigentes de muita tecnologia, largura de banda ou elevadas competências digitais dos utilizadores. Tal não invalida a utilização de tecnologias mais sofisticadas, desde que as condições locais assim o permitam”, informa uma nota de imprensa da Direção Geral de Educação (DGE) .

Segundo a DGE “numa primeira fase, todas as escolas devem manter o contacto diário com os alunos e iniciar
uma dinâmica em que, gradualmente, poderão introduzir processos e ferramentas mais complexas de interação. Todas estas novas formas de aprender e de ensinar implicam uma curva de aprendizagem, tanto para os professores como para os alunos. Deverão ser privilegiadas atividades assíncronas, menos exigentes em largura de banda e que
não requeiram dispositivos de última geração. No caso em que os destinatários são crianças ou alunos mais novos, da Educação Pré-escolar e dos 1.º e 2.º ciclos, as atividades deverão, sempre que possível, ser intermediadas pelos encarregados de educação. Nesta fase inicial, é fundamental que sejam desenvolvidas formas simples para não se perder o contacto com os alunos, em particular aqueles que não têm ainda acesso a internet ou equipamento. Um contacto estabelecido através de organizações e associações locais ou da Junta de Freguesia poderá assegurar que estes alunos também recebem materiais e tarefas para fazer”.

A mesma nota indica que “em cada escola/agrupamento deve ser criada uma equipa de apoio aos restantes docentes, quer porque o trabalho dos docentes estará também a ser feito a distância, quer porque poderá haver algumas pessoas menos experientes neste tipo de modalidade de ensino. Esta equipa poderá ainda organizar sessões de formação a distância ou disponibilizar recursos para autoaprendizagem. Brevemente, a DGE irá disponibilizar um curso sobre metodologias de ensino a distância, procurando também desta forma apoiar as escolas e os seus docentes.

Em cada escola deverão ainda ser definidas as ferramentas e as metodologias a utilizar, tendo em conta os diferentes níveis de ensino. Na medida do possível, deve ser evitada a proliferação de ferramentas e de plataformas para que haja uma harmonização de métodos de ensino e aprendizagem, em cada ciclo e com isto facilitar a concentração dos alunos nos espaços digitais.

Terá de haver enorme cuidado para que todos os alunos, independentemente dos dispositivos que utilizem e do software instalado, tenham acesso aos recursos disponibilizados pela escola. Deverá ser utilizado software de livre acesso e não muito exigente do ponto de vista tecnológico ou de largura de banda.

Escolas mais avançadas tecnologicamente deverão partilhar as suas práticas e apoiar, sempre que possível, outras que se encontrem em maior dificuldade. Caberá também aos Centros de Formação de Professores promoverem esta partilha e apoiarem as escolas neste grande desafio.

Neste momento em que todos nos defrontamos com problemas de grande complexidade, a colaboração entre todos é fundamental. Sublinhamos aqui a importante comunicação da UNESCO que publicou recentemente 10 recomendações sobre ensino a distância, no âmbito do encerramento de muitas escolas em vários países, recomendando a leitura atenta e a divulgação dessas recomendações junto de todas as comunidades educativas”.

Foi criado um endereço de e-mail (apoioescolas@dge.mec.pt) para da resposta às dúvidas e receção de sugestões e partilha de recursos.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa Ministério da Educação

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade