Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Silvestre Pestana na reabertura do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais

“Código Aberto”, patente até 20 de junho, reúne trabalhos, como “Sufoco Virtual”, Sociedade Aberta, Bio-Virtual, Águas Vivas ou Neurónios, realizados entre 1982 e 2020, ao longo de distintas fases da vida artística de Silvestre Pestana.

231

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

No mês que marca a reabertura dos equipamentos culturais, após um período de novo confinamento, o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais dá as boas vindas aos visitantes com uma combinação única de luzes, cores e sons, apoiada, sobretudo, em equipamentos eletrónicos.

Assumidamente um artista irreverente e crítico, na exposição “Código Aberto”, Silvestre Pestana recorre à utilização de materiais industriais, como néons ou equipamentos informáticos, para destacar a potencial relação entre o homem e a máquina e entre o real e o virtual, evidenciando, sempre, algumas das preocupações sociais, políticas e tecnológicas do nosso quotidiano.

O visitante é recebido, assim, por um conjunto de imagens e vídeos, exibido em ecrãs, a que se segue fotografias criativas e pequenas figuras humanas. É numa sala completamente escura, que néons nos remetem para as publicidades de outros tempos.

Já no piso superior, uma estrutura metálica de grandes dimensões dá as boas vindas aos curiosos, que podem passear-se por entre um jogo de luzes e construções.

“Código Aberto”, patente até 20 de junho, reúne trabalhos, como “Sufoco Virtual”, Sociedade Aberta, Bio-Virtual, Águas Vivas ou Neurónios, realizados entre 1982 e 2020, ao longo de distintas fases da vida artística de Silvestre Pestana.

“Pinturas e desenhos – Doações de Graça Morais” ainda pode ser visitado

Até 16 de maio, ainda pode visitar aquela que é a primeira exposição composta, integralmente, por obras doadas pela artista transmontana Graça Morais.

A mostra “Pinturas e desenhos (1993-2018) – Doações de Graça Morais à coleção do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais” é, assim, constituída por 105 trabalhos de pintura e desenhos realizados entre 1993 e 2018, integrando obras de referência, como Maria e Delmina, séries, como As Escolhidas ou A Caça.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa Município de Bragança

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade