Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

“Quase um quarto da população de Bragança não tem médico de família”, diz o Executivo Municipal

Segundo o Município de Bragança, esta realidade resulta de um "desinvestimento na área da saúde por parte do Governo, contrariando as promessas feitas, em 2016, pelo Primeiro-ministro, António Costa, que garantiu que todos os portugueses teriam, em 2017, médico de família".

561

Publicidade

Os números são divulgados pela autarquia de Bragança, afirmando que existem 6 800 pessoas do concelho de Bragança sem médico de família, o que representa 20 por cento da população. Segundo o Executivo Municipal, a carência poderia ser colmatada com a contratação de, pelo menos, quatro novos médicos.

Uma realidade que preocupa o Executivo Municipal, sobretudo quando é sabido que, em 2022, 22 especialistas em Medicina Geral e Familiar da Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE) atingem a idade de reforma e, em 2023, mais oito médicos“, lê-se numa nota de imprensa distribuída hoje pela Câmara Municipal de Bragança.

Segundo o Município de Bragança, esta realidade resulta de um “desinvestimento na área da saúde por parte do Governo, contrariando as promessas feitas, em 2016, pelo Primeiro-ministro, António Costa, que garantiu que todos os portugueses teriam, em 2017, médico de família. Ainda no início deste ano, falou que a solução passaria pela criação de incentivos para a localização de especialistas em Medicina Geral e Familiar nas zonas mais carenciadas do País“.

Em Bragança, à semelhança daquilo que tem acontecido em outras áreas, as promessas de investimento do Governo não se concretizam, tendo-se, mesmo, verificado precisamente o contrário na ULSNE, onde os especialistas em Medicina Geral e Familiar que se reformam não são substituídos por novos clínicos“, denuncia o município.

O executivo municipal, presidido por Hernâni Dias, eleito pelo PSD, diz ainda que esta é uma situação “que assume proporções e uma gravidade ainda maiores quando é sabido que, devido à pandemia, muitos procedimentos e consultas ficaram por realizar e terão que ser efetuados com a maior brevidade possível, sob pena de representar sérios riscos para a saúde da população de todo o distrito“.

Publicidade

Fonte desta notícia: Município de Bragança

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade