Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Programa “Tradições” da EDP apoiou projeto de Freixo de Espada à Cinta

O projeto "A Escolinha da Seda", proposto pelo município de Freixo de Espada à Cinta "é o único território em toda a Península Ibérica onde ainda se trabalha a seda de forma 100% artesanal".

455

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

Já são conhecidos os vencedores da 4ª edição do ‘Tradições’ da EDP. Os dez projetos selecionados de um total de 68 candidaturas, vão agora receber apoio financeiro para poderem desenvolver iniciativas que contribuam para preservar e promover tradições ancestrais, muitas delas em risco de desaparecimento.

Foram 10 os projetos selecionados de várias regiões do país. O projeto “A Escolinha de Seda”, em Freixo de Espada à Cinta, foi o único selecionado na região de Trás-os-Montes e Alto Douro. O Papachurra, que promove a produção de cobertores feito com lã de uma raça de ovelhas em risco de extinção, na Serra da Estrela, e os Roteiros de Saberes e Sabores, que pretendem identificar e promover património e costumes em vias de extinção na região de Lares, no centro do país, transformaram-se em projetos que agora vão ser financiados pela EDP. As restantes candidaturas contempladas com financiamento foram “Voltar aos Bailes Mandados”, promotor: PédeXumbo;”Os Barrocos da Olaria” promotor Associação de Artesãos da Serra da Estrela; “Requalificação do Linho Artesanal”, promotor: AFURNA; “Casa da Memória”, promotor: CM Sines; “Artes Tradicionais da Festa dos Tabuleiros” promotor: CM Tomar; “Festas do Império do Divino Espírito Santo de Alenquer”, promotor: CM Alenquer; “Memórias e Tradições do Estrela Geopark Mundial da UNESCO”, promotor: Associação Geopark Estrela.

O projeto “A Escolinha da Seda”, proposto pelo município de Freixo de Espada à Cinta, “é o único território em toda a Península Ibérica onde ainda se trabalha a seda de forma 100% artesanal. Este Projeto propõe a criação de uma Escolinha, integrada no espaço do museu, onde as gerações mais jovens, em especial, possam aprender com os artesãos esta prática única e ancestral e contribuir para a sua divulgação. O plano passa ainda por fazer um registo atualizado de todos os processos de produção de seda que possa fundamentar a sua classificação como património cultural imaterial de Portugal“, salienta  a EDP.

Os apoios nesta edição, num total de 213 mil euros, envolvem iniciativas e tradições típicas de diferentes regiões portuguesas, escolhidas não apenas pela sua relevância histórica e social para as comunidades, mas também pelo impacto que podem ter na criação de emprego, na dinamização da economia local e na própria sustentabilidade das regiões, refere uma nota de imprensa da EDP.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa EDP

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade