Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Plano Ferroviário Nacional é recebido como “sinal extramente positivo” para a região de Trás-os-Montes

A abertura manifestada, ontem, pelo Governo, para estudar a ligação ferroviária das capitais de Distrito (Bragança e Vila Real) é entendida como um passo importante no caminho da melhoria da conectividade da região, beneficiando a circulação de pessoas e mercadorias, contribuindo para a coesão territorial, desenvolvimento económico e qualidade ambiental e consequentemente para o aumento da qualidade de vida das populações.

2.103

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

A CIM das Terras de Trás-os-Montes vê como um sinal extramente positivo o facto de o Plano Ferroviário Nacional (PFN) prever o estudo para a ligação das capitais de distrito (Bragança e Vila Real) através da ferrovia. Dando assim corpo a uma das principais reivindicações da CIM que sempre defendeu a revitalização da ferrovia como uma das grandes apostas para o futuro do território.

A abertura manifestada, ontem, pelo Governo, para estudar a ligação ferroviária das capitais de Distrito (Bragança e Vila Real) é entendida como um passo importante no caminho da melhoria da conectividade da região, beneficiando a circulação de pessoas e mercadorias, contribuindo para a coesão territorial, desenvolvimento económico e qualidade ambiental e consequentemente para o aumento da qualidade de vida das populações.

A intenção de voltar a ligar Trás-os-Montes através do caminho de ferro, foi anunciada ontem durante a sessão de lançamento do Plano Ferroviário Nacional (PFN), que decorreu em Lisboa. O Plano, que assenta um dos seus objetivos na expansão da rede através da construção de novas linhas ou reabertura das encerradas, aponta a construção de uma nova linha como a solução mais viável para ligar Bragança e Vila Real através do caminho de ferro. Daí que esteja previsto iniciar os estudos que permitam sustentar e viabilizar tal.

Esta tem sido a solução defendida pela CIM das Terras de Trás-os-Montes, que ao longo destes últimos anos tem vindo a reclamar realização deste estudo junto do poder central, sustentando a sua posição no facto da ferrovia ser o meio de transporte do futuro, nomeadamente para o transporte mercadorias, contribuir para a descarbonização e surgir como uma oportunidade de criar corredores de aproximação deste território fronteiriço a Espanha“, anunciou a CIM Terras de Trás-os-Montes em nota de imprensa enviada às redações.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa CIM Terras de Trás-os-Montes

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade