Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Os grandes desafios do Antropoceno em debate

A primeira iniciativa no âmbito deste projeto materializa-se num ciclo de seis conferências e debates, designado Pluralizando o Antropoceno: Reimaginando o Futuro do Planeta no Século XXI. Entre 15 de fevereiro e 10 de maio, reputados especialistas vão partilhar reflexões importantes sobre esta nossa condição plural de viver num mundo cheio de incertezas.

224

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

Debater os grandes e complexos desafios da era do Antropoceno, a era em que vivemos, é o objetivo de um projeto curatorial lançado por Gonçalo Santos e Ana Luísa Santos, investigadores do Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS), da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), em parceria com a Fundação de Serralves e com a rede de pesquisa Sci-Tech Asia, o Centre for Functional Ecology—Science for People and the Planet e o Departamento de Ciências da Vida da FCTUC.

A primeira iniciativa no âmbito deste projeto materializa-se num ciclo de seis conferências e debates, designado “Pluralizando o Antropoceno: Reimaginando o Futuro do Planeta no Século XXI”. Entre 15 de fevereiro e 10 de maio, reputados especialistas vão partilhar reflexões importantes sobre «esta nossa condição plural de viver num mundo cheio de incertezas. Este ciclo contará com a presença de influentes pensadores das humanidades e ciências contemporâneas comprometidos com uma visão mais plural do Antropoceno e das grandes questões de resiliência, adaptação, e luta pela justiça ambiental», afirma Gonçalo Santos.

O ciclo arranca, no dia 15 de fevereiro, entre as 18h00m e as 19h30m, com a palestra de Tim Ingold, um dos mais conceituados antropólogos contemporâneos, que vai abordar o que ele chama “sustentabilidade de tudo.” Para a sustentabilidade da nossa economia se tornar uma realidade, nós teremos de pensar numa sustentabilidade que não seja sustentável apenas para algumas espécies ou algumas populações humanas. Nós teremos de começar a pensar na sustentabilidade do planeta.

Contextualizando o projeto curatorial agora lançado sobre o Antropoceno, Gonçalo Santos observa que «o mundo em que vivemos é muito diferente daquele em que os nossos avós e bisavós cresceram: mais quente, mais seco, mais poluído, mais incerto. O sistema de produção linear da sociedade de consumo trouxe muitos benefícios para um número significativo de pessoas e populações em todo o mundo mas

também levou a uma devastação ambiental sem precedentes e gerou uma conjuntura de alterações climáticas com efeitos preocupantes».

«Olhando apenas para factos básicos em Portugal, como a redução da precipitação geral e o aumento acelerado da temperatura desde a segunda guerra mundial, as previsões mais conservadoras não são nada otimistas, apontando para um aumento significativo no número de incêndios e de secas nas próximas décadas. A presente década — a terceira do século XXI — será decisiva para começarmos a planear um pouco melhor o nosso futuro (e o futuro do nosso planeta) antes que seja tarde demais e tenhamos caído num ambiente de caos e confusão ainda mais perturbador do que aquele que estamos a viver no âmbito da atual pandemia de COVID-19», destaca o investigador da FCTUC.

O responsável pelo projeto curatorial sublinha ainda que «mesmo as pessoas que estão a negar este problema não podem ignorar os debates em curso sobre a destruição do ambiente, as alterações climáticas e o futuro da vida humana no planeta. Estes são os grandes desafios da era em que vivemos: a era do Antropoceno, ou a idade dos humanos. O Antropoceno não é apenas uma idade de crescentes incertezas ambientais resultantes do impacto destrutivo cumulativo das atividades humanas; é também uma idade de importantes desafios e escolhas civilizacionais no sentido de ultrapassar esta situação de crise e desastre iminentes e criar novas visões de esperança e de justiça».

O especialista em antropologia social-cultural lembra que «existem muitos lugares diferentes e muitas populações diferentes dentro do planeta. Os desafios que os portugueses ou os chineses estão a experienciar na idade do Antropoceno são diferentes dos desafios enfrentados pelos povos da Amazónia. O uso do termo Antropoceno para denominar esta nova era de incertezas antropogénicas crescentes abriu todo um novo campo de conversas multidisciplinares sobre as relações dos seres humanos com o ambiente no século XXI, mas também gerou um entendimento monolítico do Antropoceno como uma experiência humana unificada».

Por isso, conclui Gonçalo Santos, «é preciso pensar nestas diferenças para prevenir uma intensificação das desigualdades já existentes, da mesma forma que é preciso pensar naquilo que nos junta no planeta como uma comunidade global de populações humanas com um destino comum».

O programa integral sobre o ciclo “Pluralizando o Antropoceno: Reimaginando o Futuro do Planeta no Século XXI” está disponível aqui.

Publicidade

Fonte desta notícia: Cristina Pinto Assessoria de Imprensa - Universidade de Coimbra

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade