Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

O prestígio da Imprensa

O "Janeiro" foi um dos grandes jornais diários do país. Tão grande, recordei na Primavera de 2018, que em Julho de 1950 enviou o jornalista Albano da Rocha Pato a Mainz (Mogúncia) a acompanhar o Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC) em viagem à Alemanha para participar na Primeira Delfíada, um festival de teatro dedicado à dramaturgia mais clássica, onde o TEUC representou Gil Vicente.

290
Júlio Roldão

Júlio Roldão, jornalista desde 1977, nasceu no Porto em…

Mais deste autor(a)

Recupero uma carta que escrevi ao meu amigo Francisco Mangas, director da Gazeta Literária da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, quando comecei a preocupar-me com os rumores que dão como certo que o Jornal de Notícias irá ceder a uma qualquer empresa hoteleira o emblemático edifício da portuense Rua de Gonçalo Cristóvão onde a Redacção do jornal ainda funciona.

Edifício construído de raiz para albergar um jornal, quando os jornais eram pensados, escritos e impressos no mesmo espaço, o que implicava instalações também adequadas a uma rotativa de grandes dimensões como era a última grande máquina impressora que o Jornal de Notícias adquiriu, a portuense Torre JN corre sérios riscos de virar hotel.

Esta transformação encaixa naquelas opções empresariais que fizeram com que os jornais deixassem de ter tipografia e distribuição próprias e fossem perdendo peso a pretexto de eliminar gorduras. Recordo, como recordei na carta que enviei a Francisco Mangas, que os outros dois grandes diários portuenses – O Comércio do Porto e O Primeiro de Janeiro – cederam as respectivas instalações históricas para outros negócios e já desapareceram.

O “Janeiro” foi um dos grandes jornais diários do país. Tão grande, recordei na Primavera de 2018, que em Julho de 1950 enviou o jornalista Albano da Rocha Pato a Mainz (Mogúncia) a acompanhar o Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC) em viagem à Alemanha para participar na Primeira Delfíada, um festival de teatro dedicado à dramaturgia mais clássica, onde o TEUC representou Gil Vicente.

Quantos jornais em Portugal – continuo a perguntar – enviam jornalistas ao estrangeiro a acompanhar uma digressão de um grupo de teatro português? Albano da Rocha Pato, cujo nome vai entrar na toponímia de Coimbra, acompanhou o TEUC à cidade de Mainz e assinou reportagens sobre o festival de teatro, mas também sobre a reconstrução da cidade de Mainz, com muitos dos quarteirões que foram bombardeados durante a II Grande Guerra então ainda em escombros.

Nos anos 50 do século passado, havia jornais que assumiam o papel que se dá hoje aos historiadores, produzindo documentos verdadeiramente históricos numa permanente afirmação de prestígio da Imprensa escrita, sempre ancorada na qualidade e no prestígio dos respectivos jornalistas. Prestígio que importa hoje, neste tempo de desinformação, recuperar e consolidar.

Júlio Roldão, jornalista desde 1977, nasceu no Porto em 1953, estudou em Coimbra, onde passou, nos anos 70, pelo Teatro dos Estudantes e pelo Círculo de Artes Plásticas, tendo, em 1984, regressado ao Porto, onde vive.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade