Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

O céu de fevereiro de 2022

No início de fevereiro, Vénus e Marte estão a quase 9 graus de distância um do outro, mas ficam cada vez mais próximos durante este mês, até à conjunção de 12 de março, quando estarão a menos de 4 graus um do outro. Já Mercúrio é o mais difícil de ver dos três, porque nunca se afasta muito do Sol, no céu, e por isso vê-se sempre perto do horizonte.

281
Ricardo Cardoso Reis

Ricardo Cardoso Reis é licenciado em Astronomia pela…

Mais deste autor(a)

No início do mês o planeta Júpiter ainda se vê virado a Oeste, ao anoitecer, mas aproxima-se cada vez mais do Sol, no céu. No fim do mês começa a cruzar a nossa estrela e deixa de se ver durante algumas semanas, reaparecendo ao amanhecer, lá para o fim de março.

Por isso, este mês, observar os planetas será uma atividade mais para os madrugadores, com Mercúrio, Vénus e Marte todos visíveis ao amanhecer.

FIGURA-1-Um-finissimo-crescente-da-Lua-e-o-planeta-Jupiter
Figura 1: Um finíssimo crescente da Lua e o planeta Júpiter, às 18h30 do dia 2 de fevereiro de 2022. Como a Lua se move cerca de um palmo por dia, no dia 3 estará pouco acima do planeta. (Imagem: Ricardo Cardoso Reis /Stellarium)

No início de fevereiro, Vénus e Marte estão a quase 9 graus de distância um do outro, mas ficam cada vez mais próximos durante este mês, até à conjunção de 12 de março, quando estarão a menos de 4 graus um do outro. Já Mercúrio é o mais difícil de ver dos três, porque nunca se afasta muito do Sol, no céu, e por isso vê-se sempre perto do horizonte.

Mas o mês começa com uma lua nova logo no dia 1. No dia seguinte, um finíssimo crescente passa a 5 graus do planeta Júpiter, ao pôr-do-Sol. O amanhecer do dia 8 será o melhor dia para ver Mercúrio, pois é o dia em que este estará mais afastado do Sol. Mesmo assim, não esperem vê-lo “lá em cima” – estará no máximo a 8 graus acima do horizonte, quando o brilho do Sol nascente o ofusca. Neste mesmo dia, a Lua atinge a fase de quarto crescente.

O dia 9 será o dia em que a “superestrela” que é o planeta Vénus estará mais brilhante em todo o ano. Uma semana depois, no dia 16, a Lua atinge a fase de lua cheia, enquanto o dia 23 será o dia em que Vénus estará mais afastado do Sol, no céu, e por isso mais alto no céu ao amanhecer. No mesmo dia a Lua atinge o quarto minguante.

Mesmo antes do amanhecer do dia 27, o desafio de observação do mês: Por volta das 6:33, irá passar debaixo da Lua, já num minguante bem pequeno, o Telescópio Espacial Hubble (HST)! Segundo a página Heaven Above, que prevê quando é que determinados satélites nos passam “por cima da cabeça”, o HST começa a sua passagem às 06:25:37, virado a Sudoeste e põe-se às 06:35:34, a Este-Sudeste (ESE). Mas logo por cima da Lua, estão os planetas Marte e Vénus, praticamente alinhados com o nosso satélite, com a Lua a 3 graus de Marte e a 8 graus de Vénus. Ou seja, por volta das 6:33 podem ver, de baixo para cima e praticamente alinhados, o Telescópio Espacial Hubble, a Lua, Marte e Vénus.

FIGURA-2-O-ceu-virado-a-Sudeste-as-06h33-do-dia-27-de-fevereiro-de-2022
Figura 2: O céu virado a Sudeste, às 06h33 do dia 27 de fevereiro de 2022. O “pontinho” logo abaixo da Lua é o Telescópio Espacial Hubble (HST). (Imagem: Ricardo Cardoso Reis /Stellarium)

Mas o desafio não termina aqui! Mercúrio está à esquerda deste quarteto, mas se a Lua, a esta hora, está a 8,5 graus acima do horizonte, Mercúrio estará apenas 2,5 graus acima do horizonte! Podem tentar observá-lo seguindo a trajetória do HST, pois às 06:34:50 este estará à mesma altura que Mercúrio, mas 6 graus à direita do planeta.

Quanto ao velhinho HST, depois de décadas de descobertas inigualáveis, tem os dias contados. O seu substituto, o Telescópio Espacial James Webb (JWST), já chegou ao local de onde vai observar o Universo e estima-se que comece a operar em pleno lá para junho.

A fechar o mês, no dia 28, a Lua, que se move aproximadamente um palmo por dia no céu, vai passar a cerca de 8 graus de Mercúrio, mesmo antes do Sol nascer.

Boas observações.

Publicidade

Fonte desta notícia: Planetário do Porto e Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade