Informativo Digital

Mêda faz inventário das vias-sacras do concelho

O trabalho é da responsabilidade do serviço de Antropologia da Câmara Municipal que colocou plásticos pretos nos blocos de base das Estações da Via Sacra de Casteição, com o objetivo de provocar a necrose vegetativa dos líquens na tentativa de evitar a sua remoção com recurso a produtos químicos ou a utilização de materiais de desgaste abrasivo.

270

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O Município da Mêda procedeu ao início do inventário das vias-sacras existentes em todo o concelho. Uma iniciativa que pretende a preservação do património cultural local e sequente divulgação junto do público que o queira conhecer.

O trabalho é da responsabilidade do serviço de Antropologia da Câmara Municipal que colocou plásticos pretos nos blocos de base das Estações da Via Sacra de Casteição, com o objetivo de provocar a necrose vegetativa dos líquens na tentativa de evitar a sua remoção com recurso a produtos químicos ou a utilização de materiais de desgaste abrasivo.

As Vias-sacras representam o percurso de Jesus Cristo carregando a Cruz desde o Pretório de Pôncio Pilatos até ao Monte Calvário onde foi crucificado. Nas aldeias transmontanas e beirãs é muito frequente a presença destes marcos de fé, estando os mesmos materializados por cruzes, frequentemente de granito, que simbolicamente representam cenas da paixão de Cristo. Este caminho de reza é composto, na maior parte do casos, por 14 estações alusivas a cenas da Paixão de Cristo.

As Vias-sacras eram e ainda se mantêm como uma tradição muito usual no tempo da Quaresma e pensa-se que tiveram origem na época das Cruzadas, por volta do século XI a XIII, altura em que se começou a reproduzir localmente o percurso de Jesus Cristo até ao Calvário.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade