Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Mais de uma centena de pessoas envolvidas no peditório para a Liga Portuguesa Contra o Cancro

A iniciativa, que decorre nos dias 29, 30 e 31 de outubro e 1 de novembro, conta, em Bragança, com voluntários dos 10 aos 80 anos de idade. Estes voluntários vão estar devidamente identificados, bem como as caixas que penduram ao peito, para que os cidadãos não tenham dúvidas sobre o destino dos seus donativos

118

Publicidade

Cristiano Ronaldo apadrinha, este ano, o peditório nacional da Liga Portuguesa Contra o Cancro, que é desenvolvido anualmente e em contexto de voluntariado, e que constitui a principal fonte de financiamento da Instituição na sua relação com a comunidade, mas sobretudo o garante da sustentabilidade das atividades que promove no âmbito dos seus quatro eixos de missão: o apoio ao doente oncológico e cuidadores, a promoção da saúde, a prevenção do cancro e o estímulo à formação e investigação em oncologia.

O lema é “jogue em equipa com o melhor do mundo”, com o objetivo de fazer da luta contra o cancro um exemplo nacional de entreajuda e de solidariedade.

No concelho de Bragança a campanha vai envolver mais de uma centena de voluntários, dos dez aos 80 anos, que nos hipermercados, na rua, no comércio local, nas aldeias, um pouco por todo o concelho de Bragança vão fazer um peditório de angariação de fundos.

Estes voluntários vão estar devidamente identificados, bem como as caixas que penduram ao peito, para que os cidadãos não tenham dúvidas sobre o destino dos seus donativos.

Anabela Anjos, coordenadora concelhia do Peditório, refere que é muito fácil “recrutar” os voluntários. “As pessoas inscrevem-se voluntariamente e quem participa um ano quer repetir no ano seguinte, porque é uma atividade muito gratificante”, explica.

De facto, a Liga Portuguesa Contra o Cancro é das instituições em Portugal com maior notoriedade e credibilidade, e a patologia, cujo nome ainda assusta, é transversal a toda a sociedade, a maioria das pessoas têm familiares ou amigos a quem já foi diagnosticada a doença, o que aumenta os níveis de consciencialização para a necessidade de contribuir para uma entidade que ajuda todos os que precisam e que investe muito na investigação, com o intuito de combater a doença.

Quando dizemos que é gratificante doar o nosso tempo para participar neste peditório, digo-o porque com muita frequência as pessoas se dirigem a nós espontaneamente e nos agradecem, mesmo os voluntários que nunca tiveram um caso próximo de alguém com a patologia sentem a importância da Liga”, acrescenta.

Para além das equipas de rua, muitos estabelecimentos do comércio local também têm expostas as caixas do peditório ao balcão onde as pessoas podem deixar o seu donativo.

Acredito que seja das poucas causas em que quase não precisamos de falar para que cada um contribua com o que puder, é impressionante ver como as pessoas fazem questão de deixar o seu donativo”, remata Anabela Anjos.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade