Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Luís Vale fez apresentação de novo livro em Bragança

Neste livro, Luís Vale reúne crónicas que foi escrevendo durante os períodos de reclusão impostos pela pandemia do Corona Vírus, sobre a sua vivência quase quotidiana dentro de quatro paredes, livro ilustrado com um conjunto de desenhos dos seus filhos enquanto crianças e, por sugestão do geógrafo e poeta iberista Carlos d’Abreu, se preparou a edição, através da editorial Carava Ibérica da qual é coordenador.

687

Publicidade

O antropólogo Luís Vale, autor de já vasta obra Etnológica sobre a região, nascido em Vila Boa de Ousilhão, concelho de Vinhais, apresentou no passado sábado, dia 21 de janeiro, no Lost Corner bar, em Bragança, o seu último livro, “Enclausurados Vivências em Pandemia”.

Neste livro, Luís Vale reúne crónicas que foi escrevendo durante os períodos de reclusão impostos pela pandemia do Corona Vírus, sobre a sua vivência quase quotidiana dentro de quatro paredes, livro ilustrado com um conjunto de desenhos dos seus filhos enquanto crianças e, por sugestão do geógrafo e poeta iberista Carlos d’Abreu, se preparou a edição, através da editorial Carava Ibérica da qual é coordenador.

Enclausurados_capa
“Enclausurados”, novo livro de Luís Vale

Nesta apresentação, a cargo de Carlos d’Abreu, foram lidos alguns poemas de um seu livro escrito e publicado durante e sobre a pandemia. Esteve também presente na mesa de apresentação o editor leonês Rafael Cabo Riego, que para o efeito a Bragança se deslocou.

Afirma o autor que, “depois de alguma, talvez muita hesitação, quanto ao momento certo para o editar, foi lançado no Porto no dia 17 de Dezembro de 2022. Sem qualquer ambição literária, mas permanecendo leal ao registo etnográfico que tanto aprecio, ainda que neste caso se trate de uma etnografia do eu e do nós”.

Luís Vale disse ainda que “gostaria que estas páginas fossem lidas, apenas e só, enquanto testemunho de uma experiência em pandemia e seus confinamentos, vertido em palavras que, para além do prazer que me proporcionaram, serviram-me também de fuga e terapêutica para essas horas e dias excepcionais”.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade