Informativo Digital

Jovem de Macedo de Cavaleiros vence Prémio Literário Nortear

VI Prémio Literário Nortear para Jovens Escritores distingue Célia Fraga, jovem escritora de Bragança com a obra “Ganapos”.

1.458

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

A jovem Célia Fraga, de 31 anos, natural de Vale da Porca, concelho de Macedo de Cavaleiros, licenciada em Ciências da Linguagem pela FLUP e Mestre em Realização em Cinema e Televisão pela ESAP, arrebatou a preferência do Júri do concurso com uma história passada no Verão de 1974, intitulada “Ganapos”, que descreve as dificuldades de adaptação a uma pequena aldeia do Nordeste Transmontano de dois jovens retornados de uma ex-colónia africana.

Os membros do júri destacaram na obra vencedora, em termos formais, a “escrita muito elegante, madura e coerente, inclusivamente nos diversos desdobramentos alcançados em diferentes categorias da narrativa, como o tempo, o espaço, as personagens e o narrador”. Salientou-se, ainda, relativamente ao conteúdo, uma forte utilização da estética.

Esta foi a estreia de Célia Fraga em concursos literários, jovem que “gosta sobretudo de contar histórias”. Autora do filme «Cinzas», distinguido, em 2019, com o Prémio do Público para o Melhor Filme de Estudante na primeira edição do “Kalajoke Film Festival” na Finlândia e com a Menção Honrosa Especial-Criatividade do Concurso Entre Escolas, no âmbito do Fantasporto.

Ao VI Prémio Literário Nortear concorreram 30 trabalhos produzidos por jovens escritores, com idades compreendidas entre os 16 e os 36 anos. O júri desta edição foi constituído por Carla Amado, responsável do Instituto Camões – Centro Cultural Português em Vigo, enquanto presidente do júri, Arantza Portabales e Ramón Nicolás, escritores galegos e Carlos Lopes, representante da EDITA-ME.

A iniciativa é promovida pela Consellería de Cultura, Educación e Universidade da Xunta de Galicia, pela Direção Regional de Cultura do Norte de Portugal e pelo AECT da Eurorregião Galicia – Norte de Portugal, tendo por objetivos distinguir anualmente obras literárias originais de ambos os lados da fronteira do Rio Minho; incentivar a produção literária entre a juventude galega e a portuguesa e favorecer a circulação e distribuição de obras literárias entre a Galiza e Portugal, para reforçar o diálogo cultural entre os dois territórios.

Dotado com 3.000 euros, acrescidos da publicação da obra vencedora, o Prémio Literário Nortear procura, ainda, definir-se como um espaço cultural único e partilhado na Eurorregião, promovendo diferentes atividades (desde o início do Nortear em 2015), tendo em vista o conhecimento mútuo da cultura, da literatura, da criação artística em geral, em ambos os territórios, assumindo-se como um polo cultural, que se pretende de referência a nível europeu, no domínio da cooperação transfronteiriça.

Em 2018, deu início à promoção conjunta de atuações em diversas disciplinas da criação artística (dança, música, artes cénicas e audiovisuais) com a adaptação da obra “Clementina”, da escritora Lara Dopazo, vencedora da 1ª edição deste prémio, para um musical homónimo, apresentado em Vila Nova de Gaia e em Santiago de Compostela, estando já em agenda a apresentação pública da peça teatral da obra galardoada na 4ª edição “Ver”, no dia 21 de outubro de 2020, no Grande Auditório do Teatro de Vila Real.

Refira-se que o projeto Nortear foi considerado a melhor iniciativa cultural transfronteiriça em 2019, tendo-lhe sido atribuído o prémio “Sail of Papenburg” pela Assembleia Geral da Associação de Regiões Fronteiriças da Europa (AEBR).

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa DRCN

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade