Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Igreja de Torre de Moncorvo: Concluído o restauro das pinturas murais da capela-mor

A Operação contempla ainda a reabilitação do alpendre sul e das portas da igreja, assim como o mapeamento das deteriorações da pedra existentes nos portais de granito.

587

Publicidade

Está concluída a intervenção de conservação e restauro das pinturas murais da capela-mor da Igreja Matriz de Torre de Moncorvo.

Iniciada em novembro do ano passado, com a execução dos trabalhos preparatórios de análise e diagnóstico, a intervenção faz parte da operação “Igreja Matriz de Torre de Moncorvo”, com orçamento global de 204.900,00 Euros e cofinanciada pelo Programa Operacional Norte 2020.

A Operação contempla ainda a reabilitação do alpendre sul e das portas da igreja, assim como o mapeamento das deteriorações da pedra existentes nos portais de granito.

Nesta intervenção – realizada pela empresa Intonaco, Conservação e Restauro, Unipessoal, Ld.ª pelo valor de total de €60.186,80 (IVA incluído) – valorizou-se a vertente conservativa, melhorando-se, sempre que possível e necessário, a leitura do conjunto.

A Igreja Matriz de Torre de Moncorvo – cuja celebração solene da promulgaçãodo título de Basílica Menor atribuído pelo Papa Francisco está marcada para o dia 18 julho – classificada como Monumento Nacional, é propriedade do Estado e encontra-se afeta, para efeitos de gestão e abertura ao público, à Direção Regional de Cultura do Norte.

O imóvel apresenta, na capela-mor, uma pintura integral, sobre granito na abóbada de berço, cornija, arco cruzeiro e enxalços dos vãos, e sobre reboco nas paredes. O tema representado do lado da Epístola, atualmente quase ilegível, ostenta, sobre cartela, a legenda “QUAE EST ISTA, QUAE PROCESSIT SICUT SOL, ET FORMOSA TAMQUAM JERUSALEM”. No lado do Evangelho o tema versa a Última Ceia e apresenta a legenda “Ó SACRUM CONVIVIUM, INQUO CHISTUS SUMITUR: RECOLITUR MEMORIA PASSIONIS/ F.JUS.A”. Cartelas idênticas surgem na parte superior da representação e sob as janelas, estas enquadrando a figura dos Evangelistas: S. João Evangelista, no lado do Evangelho, e S. Mateus, no lado da Epístola. As cenas representadas exibem um enquadramento arquitetónico e decoração de motivação rocaille, são da autoria de Francisco Bernardo Alves, de Bragança, e datam de 1779.

O teto, em abóbada, é constituído por 24 caixotões que ostentam iconografia alusiva à vida e Paixão de Cristo e à simbologia Mariana.

O conjunto pictórico evidenciava o resultado do mau estado de conservação do edifício, particularmente as pinturas sobre reboco dos alçados da capela-mor que apresentavam extensas áreas de lacunas, degradação que resultou sobretudo de infiltrações de águas pluviais.

Elevação a Basílica Menor

O Papa Francisco, através de um decreto da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, assinado a 12 de janeiro de 2022, concedeu o título de Basílica menor à Igreja Matriz de Torre de Moncorvo, na Unidade Pastoral de S. José, Arciprestado de Moncorvo.

Esta atribuição reconhece a importância deste templo na ação pastoral, litúrgica e espiritual e o seu valor patrimonial e arquitetónico.

A celebração solene da promulgação do título está agendada para o próximo dia 18 julho, em memória do Arcebispo São Bartolomeu dos Mártires.

Em 2014, a igreja-santuário de Santo Cristo de Outeiro também foi elevada a Basílica Menor, sendo a única em Portugal situada em meio rural.

Publicidade

Fonte desta notícia: DRCN

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade