Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Filmagens de “Adeus” a decorrerem em Chaves

"Adeus", um filme realizado por Rúben Sevivas, um premiado mestre de cinema transmontano. O filme retrata a despedida de um jovem adulto que emigra para Inglaterra e deixa para trás a sua aldeia, os seus amigos e alguém especial. Filmagens passarão por Vale de Anta, Soutelo e Chaves durante os dias 26, 27 e 28 de Agosto.

4.762

Publicidade

Gerado por computador

Rúben Sevivas, um jovem licenciado em Cinema pela Universidade da Beira Interior, cresceu em Trás-os-Montes, na aldeia de Soutelo em Chaves. Foi criado entre fragas e vales, serras e granito. Viveu na casa dos avós, juntamente com os pais e a irmã. Na adolescência, rejeitou tudo isto. Chegou a rejeitar a natureza e o rural. Chegou inclusive, a negar-se, a negar a sua sexualidade. Mal terminou o secundário voou para Londres de modo a afastar-se da cultura, das pessoas, da vida no interior e de Portugal. Não sabia como poderia ser ele próprio, em Trás-os-Montes.

Bastaram seis meses para perceber que é demasiado português e que lá fora estava ainda mais isolado de si mesmo e da sua identidade: é gay e transmontano. E foi nesse momento que entendeu a necessidade de fazer algo sobre e para Trás-os-Montes. É preciso reconhecer o envolvimento de nós mesmos nos meios onde estamos inseridos. Só assim podemos fazer a diferença e só assim, crê, poderá contribuir para um Trás-os-Montes próspero, unido, coerente e coeso.

Iniciou assim um percurso de investigação da tradição e memória de um povo desejando criar e desenvolver projetos onde se envolva a comunidade local.

Defende que é importante reconhecer-se e perceber-se o problema do abandono de Trás-os-Montes, que é triste sentir que uma cidade, ou região, obriga os jovens a sair pelo simples facto de não existirem perspetivas de futuro. Afirma que esta mudança deve fazer-se internamente, porque apesar de tudo ainda há jovens no interior e que não se deve esquecer isso, nunca.

Por tudo isto, surge “ADEUS”, um dos guiões portadores das suas vivências e experiências enquanto transmontano. Quando se propôs debruçar sobre Trás-os-Montes, decidiu começar pelo que conhece melhor, o seu monte, aquele que viviu e experienciou. Permiti-lhe, para que a feitura do projeto fosse verdadeira e honesta, lavrar o terreno emocionalmente e expor o caráter pessoal e autobiográfico do mesmo. É, nesse sentido, fundamental referir que a ideia surgiu da necessidade de espelhar, através do cinema, personagens e vidas que o tocassem. Essa urgência tornou necessária a partilha do privado de modo a suscitar ou potenciar um bem maior: a representatividade.

Fazer cinema, filmar, é sempre um desafio. Contudo, se o desafio se mostra difícil, é indispensável recorrermos ao que nos motiva para podermos continuar. Sendo assim, esta é a história que o jovem Rúben quer contar. Esta é a voz que quer elevar. Este é o cinema que quer fazer. Aqui, em Trás-os-Montes.

Antes de “ADEUS”, Rúben Sevivas já ilustra um caminho dentro do cinema repleto de presenças em festivais nacionais e internacionais. A sua carreira engloba projetos como “Fôlego (2017)”, “Direito à Memória (2019)” premiado com “Melhor documentário” no YMOTION19 e no Leiria Film Fest (2020), bem como com a Menção Honrosa do Prémio Primeir Olhar Cineclubes, nos Encontros de Cinema de Viana (2020), “Sobrevoo (2021)” com elogios e críticas onde se destaca a de Rui Tendinha, no DN, “ uma confissão pungente e com uma audácia humana a lembrar os home movies de Chantal Akerman.”

O seu último projeto “Flor de Laranjeira”, neste momento em fase de pós-produção ambiciona a sua estreia nacional no DocLisboa em Outubro de 2022.

Todos os seus filmes, até à data, tiveram estreia televisiva na RTP2, no programa Cinemax.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade