Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Filandorra leva teatro popular de Trás-os-Montes a claustros, castelos, praças e largos do interior norte

Os contos e lendas da tradição oral transmontana, e que dão o mote ao espectáculo Diabos e Diabritos num saco de mafarricos de Alexandre Parafita, também fazem parte da agenda deste “querido mês de agosto”, e têm encontro marcado com o público infantojuvenil das terras do barroso no âmbito da iniciativa “Modo Férias ON” que o Município de Montalegre está a desenvolver.

2.048

Publicidade

A Filandorra – Teatro do Nordeste arranca amanhã com Ciclo de Teatro de Verão para todos os públicos com a representação de espetáculos de cariz popular, da autoria de Bento da Cruz e Alexandre Parafita, em que os palcos vão ser claustros, castelos, praças e largos de vilas e cidades do interior norte.

A comédia popular Histórias da Vermelhinha de Bento da Cruz, é a primeira produção a “subir” aos palcos da região, com espectáculos agendados em Amarante (Claustros da Câmara Municipal, dias 3 e 4, 21h00), Vila Flor (dia 7 na Praça da República,21h00), Chaves (Largo General Silveira, no dia 8, 21h30) e Alijó (Anfiteatro das piscinas no dia 14, 18h00).

Histórias da Vermelhinha são uma adaptação dos contos “proibidos” da tradição oral das terras do Barroso que Bento da Cruz reproduziu na obra com o mesmo nome, que realça a riqueza do mundo rural do tempo dos nossos avós e as suas tradições recuperando o encanto dos contos populares do tempo “de menino e moço” do escritor que alegravam as noites de inverno à lareira e alimentavam a “coscuvilhice”. Trata-se da 73ª produção da Filandorra estreada em 2019 em Montalegre no âmbito do projecto idealizado por David Carvalho, “O Teatro e as Serras – Pólo de Criação da Serra do Barroso”, um dos vencedores da primeira edição do Orçamento Participativo de Portugal (OPP) na área da cultura/região norte.

Os contos e lendas da tradição oral transmontana, e que dão o mote ao espectáculo Diabos e Diabritos num saco de mafarricos de Alexandre Parafita, também fazem parte da agenda deste “querido mês de agosto”, e têm encontro marcado com o público infantojuvenil das terras do barroso no âmbito da iniciativa “Modo Férias ON” que o Município de Montalegre está a desenvolver. Os contos vão ser contados… cantados… e brincados no dia 5 de Agosto, no Auditório do Ecomuseu de Barroso – Centro Interpretativo das Minas da Borralha (14h30), e a 12 de Agosto no Auditório Municipal de Montalegre (14h30).

O Município de Montalegre promove ainda uma sessão especial para o público em geral, em especial para os “seus” emigrantes que agora regressam à terra, na noite de 6 de agosto (21h30), num espectáculo que terá lugar na Praça do Município, proporcionando assim a toda a população uma experiência diferente e enriquecedora, devolvendo com segurança e respeitando as normas definidas pela Direção Geral de Saúde (DGS) para as atividades culturais a normalidade à vida cultural das populações. Este também é o objectivo da Junta de Freguesia da Horta, em Vila Nova de Foz Côa, onde a Filandorra também vai apresentar a 10 de agosto (21h00), na Alameda da Lameira, os contos da tradição oral transmontana recolhidos e compilados em livro pelo escritor e etnógrafo Alexandre Parafita.

Ambos os espectáculos têm a encenação de David Carvalho, e as interpretações de Anita Pizarro, Bibiana Mota, Débora Ribeiro, Helena Vital Leitão, Sofia Duarte, Bruno Pizarro, Luís Filipe, Rui Moura e Silvano Magalhães. Por detrás da cortina, na luz e som, estão Carlos Carvalho e Pedro Carlos.

Publicidade

Fonte desta notícia: Filandorra Teatro

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade