Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Filandorra “leva” Gil Vicente aos alunos das escolas da região interior norte

Depois de São João da Pesqueira, Vila Nova de Foz Côa e Mesão Frio, é depois a vez dos alunos do Agrupamento de Escolas de Murça assistirem à representação de Auto da Barca do Inferno no Auditório do Centro Cultural, pelas 14h30.

537

Publicidade

A Filandorra continua a destacar-se no campo da dinamização e divulgação da arte teatral junto das Escolas do Interior Norte a partir do programa CEDITES – Centros de Divulgação de Teatro para as Escolas que percorre a vasta rede de Teatros e Cineteatros da região. Lançado em 2018, o CEDITES tem como objetivo garantir aos alunos da região o acesso a textos que integram o programa curricular da disciplina de Português, facilitando a sua compreensão e configurando uma ferramenta essencial para os professores no ensino do teatro, em jeito de AULA VIVA, com todos os espetáculos a serem precedidos de uma introdução didática a contextualizar as componentes do texto dramático (texto, dramaturgia, encenação, interpretação, cenário, guarda-roupa, luminotecnia e sonoplastia) pelo encenador e diretor da Companhia, David Carvalho.

Neste contexto está a desenvolver a iniciativa Ciclo de Teatro para as Escolas com a representação dos textos vicentinos Auto da Barca do Inferno para os alunos que frequentam o 9º ano de escolaridade e Farsa de Inês Pereira para os alunos do 10º ano. Depois de São João da Pesqueira, Vila Nova de Foz Côa e Mesão Frio, é depois a vez dos alunos do Agrupamento de Escolas de Murça assistirem à representação de Auto da Barca do Inferno no Auditório do Centro Cultural, pelas 14h30. No dia 14 de junho a viagem pelos textos vicentinos “segue” até Vila Pouca de Aguiar, com encontro marcado com os alunos do Agrupamento de Escolas no Auditório da Santa Casa da Misericórdia, com a representação de Auto da Barca do Inferno às 10h45, e de Farsa de Inês Pereira às 14h30.

A encenação dos espetáculos é de David Carvalho, que lhes conferiu um sentido pós-moderno mas respeitando fielmente o texto original. A galeria de personagens vicentinas é atualizada no espaço e no tempo modernos, viajando ao som de ícones musicais da atualidade e desfilando sob guarda-roupa vistosamente contemporâneo, de modo a provocar a reflexão e o diálogo entre o teatro e a realidade junto do público escolar. Ambos os espectáculos têm as interpretações de Anita Pizarro, Bibiana Mota, Débora Ribeiro, Helena Vital Leitão, Sofia Duarte, Bruno Pizarro, Luís Filipe, Rui Moura e Silvano Magalhães. Por detrás da cortina, na luz e som, estão Carlos Carvalho e Pedro Carlos.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade