Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Filandorra “anima” Vila Real com atividades que recriam a identidade cultural

As atividades a desenvolver em Vila Real nesta última semana de junho contam com o apoio da Câmara Municipal, a partir de um Protocolo de Colaboração Cultural que visa promover a arte dramática em geral e o teatro em particular junto de todos públicos.

165

Publicidade

A Filandorra – Teatro do Nordeste, a convite da Câmara Municipal, vai “animar” Vila Real durante toda a semana com atividades de animação e teatro da identidade cultural transmontana dirigidas a todos os públicos.

É neste contexto que na noite de véspera de São Pedro (28 de Junho), vai reconstituir/dinamizar na Av. Carvalho Araújo o Jogo do Panelo, que consiste na formação de uma roda de pessoas que atiram sem direção nem altura certa peças de barro preto (louça típica da aldeia de Bisalhães), de preferência defeituosas, porque assim mais baratas e mantendo a tradição. Quem não agarrar a peça terá (como era costume) de comprar uma nova junto dos oleiros do barro preto e reiniciar o jogo. A dinamização do Jogo do Panelo será feita pela equipa de atores/animadores e músicos da Filandorra, em interação com os “festeiros” da tradicional Feira de São Pedro. Esta iniciativa pretende valorizar e preservar as tradições culturais e recreativas que marcam a identidade cultural de Vila Real.

Na noite de São Pedro, a 29 de Junho, a Companhia apresenta no Largo da Capela Nova a peça “Um Turista no Marão” da autoria do Monsenhor Ângelo Minhava, a única da dramaturgia portuguesa a referir-se diretamente aos barros “pretos” de Bisalhães, cujo processo de fabrico foi declarado Património Imaterial da UNESCO. Trata-se de uma pequena comédia popular em que o autor satiriza os vendedores de barro negro que querem vender mais caro aos turistas que paravam na estrada do Marão, num trocadilho de palavras e dinheiro, terminando com um animado bailarico.

No dia 30 de junho, a Filandorra assinala o encerramento do ano letivo em duas escolas rurais pertencentes ao Agrupamento de Escolas Diogo Cão – Vila Real, EB de Vila Seca e EB Mondrões, com o espetáculo Diabos e Diabritos num saco de mafarricos – Contos da Tradição Oral Transmontana, de Alexandre Parafita. Professores, alunos, pais e amigos vão (re)descobrir contos, lendas e mitos da tradição transmontana, que Alexandre Parafita compilou em livro e que a Filandorra “transformou” para o palco, naquele que é o espetáculo infanto-juvenil mais visto na região nos últimos dois anos cuja produção fez parte do projeto “Reportórios, Territórios e Identidades” apoiado pela DGArtes no âmbito do Apoio Sustentado 2021-2022.

As atividades a desenvolver em Vila Real nesta última semana de junho contam com o apoio da Câmara Municipal, a partir de um Protocolo de Colaboração Cultural que visa promover a arte dramática em geral e o teatro em particular junto de todos públicos.

Publicidade

Fonte desta notícia: Filandorra - Teatro do Nordeste