Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Feira das Cantarinhas de regresso a Bragança

O Centro Histórico de Bragança volta a animar-se com a Feira das Cantarinhas e com a Feira de Artesanato. Entre as atrações do evento, estão as atuações de diversos grupos locais de dança e teatro, o Campeonato de Portugal de Trial Urbano 4x4 e a I Meia Maratona das Cantarinhas (prova de atletismo), que acontece 22 anos depois do surgimento da tradicional Milha das Cantarinhas. Haverá, ainda, um espaço com muitas diversões no Parque Eixo Atlântico.

618

Publicidade

Uma das mais antigas e tradicionais feiras do norte do país está de regresso a Bragança – a Feira das Cantarinhas realiza-se entre os dias 29 de abril a 1 de maio. É uma das tradições mais emblemáticas da cidade de Bragança, onde se vendem as famosas cantarinhas de barro que, segundo a tradição, trazem sorte a quem as receber. Uma sugestão de visita para conhecer melhor este símbolo da cultura brigantina e apreciar os sabores transmontanos.

As pequenas cantarinhas de Pinela, uma das tradições mais emblemáticas do concelho de Bragança, vão poder ser oferecidas a quem bem se quer durante a Feira das Cantarinhas que, depois de um interregno de dois anos, regressa a Bragança, de 29 de abril a 1 de maio, juntando-se à XXXIV Feira de Artesanato de Bragança (de 27 de abril a 1 de maio). Uma organização conjunta do Município de Bragança e da Associação Comercial, Industrial e Serviços de Bragança.

Entre as atrações do evento, estão as atuações de diversos grupos locais de dança e teatro, o Campeonato de Portugal de Trial Urbano 4×4 e a I Meia Maratona das Cantarinhas (prova de atletismo), que acontece 22 anos depois do surgimento da tradicional Milha das Cantarinhas. Haverá, ainda, um espaço com muitas diversões no Parque Eixo Atlântico.

As atividades têm como objetivo gerar dinâmica na cidade, através da interligação entre a Feira das Cantarinhas, a Feira de Artesanato e o Comércio Tradicional. Já a 1ª Meia Maratona das Cantarinhas, a primeira corrida tradicional que inclui a distância de 21 quilómetros, desafiará atletas, profissionais e amadores também nas usuais categorias/distâncias de 10km, 5km, corridas jovens e caminhada. A prova inicia-se às 9h de 8 de maio, com concentração no Forte S. João de Deus.

Cantarinhas: Peças com tradição

As pequenas cantarinhas que deram fama à Feira que decorre, no início de maio, em Bragança são, talvez, as peças mais conhecidas na atualidade da louça de barro de Pinela, mas nem sempre assim foi. Esta localidade, com forte tradição na olaria, foi, em tempos, o maior centro de produção de louça de barro da região. Produzia-se louça utilitária, cântaros, alguidares, vasos e muitas outras peças usadas no dia-a-dia pela população.

Contam os mais velhos que não havia família onde não existisse uma “cantareira” e era das mãos das mulheres que saiam as famosas peças, sendo que o processo de produção envolvia toda a família. As originais, de Pinela, ainda existem graças a uma artesã que, há cerca de uma década, decidiu recuperar esta arte tradicional e manter o nome de Pinela associado à olaria.

Foi em Bragança, na Feira das Cantarinhas, que nasceu a tradição de oferecer cantarinhas às raparigas solteiras. As que recebessem mais cantarinhas seriam as mais pretendidas pelos rapazes da terra. A tradição mantém-se e, na Feira das Cantarinhas, é habitual comprar estas pequeninas peças para oferecer a quem se quer bem.

Explorar Bragança

Aproveite a visita a Bragança para conhecer melhor este destino. Conhecida pela sua beleza, Bragança é a cidade ideal para um passeio em família. O Castelo de Bragança é um dos locais mais visitados em todo o distrito. Construído pelo rei D. Dinis, no século XIII, este monumento é conhecido por oferecer uma vista incrível a quem passeia pelas suas muralhas e pelas suas 15 torres. Na impressionante Torre de Menagem poderá visitar o Museu Militar.

Ainda na Cidadela, é imperdível uma visita à Igreja de Santa Maria do Sardão, à Domus Municipalis (monumento único na Península Ibérica) e ao Museu Ibérico da Máscara e do Traje, que acolhe os trajes e máscaras dos Caretos portugueses e espanhóis. Outro dos pontos que poderá visitar é a Igreja da Sé. Localizada no coração da cidade, foi construída no século XVI e está integrada num conjunto de edifícios que acolhe o Centro Cultural Municipal Adriano Moreira, o Conservatório de Música e Dança e as Bibliotecas Municipais.

Aproveite que está em pleno Centro Histórico de Bragança e visite o Solar dos Vargas, um belo exemplar arquitetónico apalaçado setecentista, onde, hoje, está instalado o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais. Projetado pelo arquiteto Eduardo Souto de Moura, conjuga, na perfeição, a antiguidade e a modernidade de um equipamento vanguardista que acolhe trabalhos da transmontana Graça Morais e de alguns dos mais reconhecidos artistas contemporâneos nacionais e internacionais.

Praticamente na porta seguinte, e também num edifício assinado por Souto de Moura, o Centro de Interpretação da Cultura Sefardita do Nordeste Transmontano leva-nos por uma viagem através das vivências das comunidades judaicas que habitaram a fabulosa região transmontana e cuja memória perdura, ainda hoje, muito viva. Um espaço que é complementado pelo Memorial e Centro de Documentação Bragança Sefardita, uns metros mais à frente.

Rua abaixo, e encontra-se o Centro de Fotografia Georges Dussaud, onde uma imponente escadaria dá as boas vindas naquela que foi a casa do Visconde de Ervedosa e nos transporta para uma das mais bonitas coleções de fotografias, onde a alma transmontana ganha vida pela lente do fotógrafo francês que dá o nome ao espaço – Georges Dussaud.

Rua abaixo, nas costas da belíssima e romântica Igreja de São Vicente, onde D. Pedro e D. Inês de Castro se casaram em segredo, encontramos o Museu do Abade de Baçal, antigo Paço Episcopal de Bragança.

Percebe-se, aqui, porque é que esta é conhecida como a Rua dos Museus. Uma única rua, em pleno Centro Histórico, que, em 500 metros, tem a maior concentração de museus do Interior de Portugal.

Com tantos lugares para visitar e conhecer, não é de admirar a gastronomia brigantina seja de excelência. No final de cada “viagem”, as energias são repostas com um belo repasto transmontano, onde não falta o bom fumeiro e o pão caseiro, as suculentas e tenras carnes de animais criados ao ar livre ou os peixes pescados em rios locais, regados com um aromático azeite brigantino, ou as sobremesas à base de castanhas e mel.

Aproveite o fim de semana e passeie por paisagens únicas, como o Parque Natural de Montesinho, a Serra de Nogueira ou aldeias, como Rio de Onor (uma das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias) e Montesinho, onde o tempo flui mais devagar.

Publicidade

Fonte desta notícia: Município de Bragança

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade