Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Egas Moniz um Homem de Cultura

Egas Moniz viveu 81 anos e estes foram cheios de ação. A sua marca ficou bem vincada tanto como homem de cultura como de político (foi deputado, depois Ministro dos Negócios Estrangeiros e Presidente da delegação portuguesa à Conferência de Paz de Versalhes).

218
Ana Albuquerque

Ana de Albuquerque (Editora)

Mais deste autor

Egas Moniz foi uma personalidade singular do século XX português. Nasceu em 29 de Novembro de 1874 em Avancas e fez os seus estudos superiores em Coimbra. Aí surge o seu lado mais boémio e de bonne vivant que o acompanhou até ao seu final trágico.

O seu nome foi marcante na primeira república e o seu legado na medicina mundial torna-o admirável e uma referência tanto pela Angiografia como pela Leucotomia e sem esquecer o seu papel de professor. Atualmente surgem novos estudos em torno deste personagem com pujança renovada devido à comemoração dos 70 Anos do Prémio Nobel (1949).

Egas Moniz viveu 81 anos e estes foram cheios de ação. A sua marca ficou bem vincada tanto como homem de cultura como de político (foi deputado, depois Ministro dos Negócios Estrangeiros e Presidente da delegação portuguesa à Conferência de Paz de Versalhes). Citando Abel Salazar “o médico que só sabe de medicina nem de medicina sabe” aplica-se na perfeição a este vulto multifacetado. A sua produção editorial é imensa pois são mais de trezentos títulos por si assinados.

Imagem1

Mas vamo-nos debruçar sobre Egas Moniz enquanto Homem de Cultura, faceta magistralmente recordada pelo seu Biografo o Prof. Victor Oliveira na obra Egas Moniz legados da sua vida e obra sabe” editada em 2019 pela By the Book.
«Em 1917 publicou uma obra intitulada “ Neurologia na Guerra”. Nele fazia uma resenha dos procedimentos tidos como mais modernos e adequados para tratamento das lesões neurológicas em tal contexto (…) na livro Júlio Diniz e a sua obra prefaciada pelo Professor Ricardo Jorge, com a primeira edição em 1924 e a última em 1946.Ao longo das cerca de 500 páginas da edição (…)o autor disseca a obra sob múltiplos ângulos e, sobretudo, faz a análise psicológica dos seus personagens, a que junta ainda alguns poemas inéditos. Egas Moniz e Júlio Diniz viveram em épocas contíguas. Moniz nasceu três anos após a morte do romancista e ambos passaram parte das suas vidas em povoações vizinhas, já que Avanca, terra-natal de Egas Moniz e Ovar, onde o nosso romancista maior se refugiou debalde para lutar contra a tuberculose, distam poucos quilómetros. Partilharam assim, a mesma paisagem, as suas gentes e os mesmos costumes. Talvez por isso, Egas Moniz alargasse o acrisolado amor que dedicou a Avanca a esta zona vizinha e lhe fosse gratificante rever os personagens de Júlio Diniz que tão pictoricamente descreveu, a ponto de alguns habitantes de Ovar se terem reconhecido nos seus livros. O estilo literário de um romantismo rural, ingénuo, cheio de paz, alegria, bons costumes e sempre com um epílogo feliz, sobrepõe-se perfeitamente aos ideais com que Egas Moniz se identificava e que extravasaram da literatura para a pintura que colecionou.

Finalmente o Magnum Opus uma voluma obra de 630 páginas é Confidências de um Investigador Científico acabada de imprimir em Janeiro de 1949, portanto, antes da atribuição do Prémio Nobel, o que ocorreria em Outubro desse mesmo ano.

Nesta obra dedica-se a relatar, às vezes de modo romanceado, o seu percurso científico que levou a invenção da Angiografia e da Leucotomia, reservando a este último tema cerca de metade do livro. Passa em revista descrições de viagens, contactos com diversas personalidades, homenagens com que foi distinguido, o atentado de que foi vítima, etc.

De carácter totalmente intimista, deixou-nos o volume A Nossa Casa, de 1950 em que recorda os personagens da família, os tempos e cenas que maior emoção lhe causou, sobretudo à volta da sua “Casa do Marinheiro”.». Atualmente um Núcleo Museológico e Biblioteca estão preservados no Hospital de Santa Maria perpetuando assim a obra deste vulto da nossa história.

Publicidade

Fonte desta notícia: Projecto "Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa", promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade