Informativo Digital

Demitiu-se a Comissão política do CDS/PP de Vimioso

Jorge Santos, presidente da Comissão Política do CDS/PP de Vimioso, acusa o líder nacional de estar a levar o partido para o desaparecimento.

505

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

A Comissão Política do CDS/PP de Vimioso pediu a sua demissão. Num comunicado de imprensa enviado a o Noticias do Nordeste, os responsáveis pela estrutura local daquele partido acusam o atual líder nacional do CDS/PP, Francisco Rodrigues dos Santos, de desrespeito por quem luta e representa o partido localmente no seu distrito ou concelho.

Jorge Santos, presidente da Comissão Política do CDS/PP de Vimioso, acusa o líder nacional de estar a levar o partido para o seu desaparecimento. “Como sabem o CDS/PP ganhou um novo rumo em 2019 com o presidente eleito em congresso, presidente este que tem levado o partido ao seu desaparecimento e para números inacreditáveis. Quem ouviu este senhor em congresso sabe que não eram estas as suas promessas. No entanto, o mais grave é o desrespeito por quem luta e representa o partido localmente no seu distrito ou concelho”, diz Jorge Santos num comunicado de imprensa enviado às redações.

O presidente da Comissão Política de Vimioso apresenta como motivos da sua demissão a descaracterização crescente do partido ao longo dos últimos tempos. “Quando em 2013 me filiei no CDSPP acreditava que o partido representava determinados valores como a democracia cristã, humanismo. Hoje tenho a perfeita noção que este partido já não representa esses valores”, disse.

Jorge Santos imputou ainda aos responsáveis da atual direção nacional atos como o fecho de sedes e o bloqueio de eleições. “Fecham as sedes, bloqueiam eleições, como na distrital de Bragança, não há plano, nem solução para recuperar o partido aos níveis financeiro e político. Estas atitudes não se coadunam com a democracia de que se rege uma república. Entendo que um ciclo se fecha neste partido que em nada se identifica com o que salvou Portugal de uma banca rota, onde estavam grandes nomes como Paulo Portas, Assunção Cristãs, Pires de Lima, Pedro Mota Soares, João Almeida entre outros”, afirmou Jorge Santos, tendo também informado que procederá ao envio do cartão de militante para voltar à condição de independente.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa CDS/PP de Vimioso

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade