Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

“das margens do teu ventre”

Poemário, rúbrica de Carlos d’Abreu, raiano do Douro Transmontano (1961), Geógrafo (USAL/UC), Arqueólogo (UP/USAL) e Historiador (UPT/USAL), colaborador do Centro de Literatura Portuguesa (UC); investigador, poeta (e diseur), antologista e tradutor; conta com várias publicações nestas áreas.

562

das margens do teu ventre

das margens do teu ventre
naveguei em direcção ao centro
onde em seu torno gravitei
aguardando um certo vento
que houvesse de levar-me
mais abaixo mais p’ra sul.

olhando a norte descortinava
por entre a diáfana neblina
gémeos pães-de-açucar à contra-luz
por detrás dos quais adivinhava
um rosto de meigo sorriso.

apeteceu-me baralhar as coordenadas
enganar a direcção da brisa
levantar todas as velas
e partir ao alcance do setentrião.

nada disto fiz porque a missão
era outra nesse momento
alcançar porto ao meio-dia
amarar, fundear e lançar ferro
nas cálidas águas viscosas
daquele pélago em suave baía…

Carlos d’Abreu

``das margens do teu ventre``Poemário de Carlos d’Abreu
{{svg_share_icon}}

“das margens do teu ventre”, integra o livro de poesia “[des(en)]cantos e (alguns) gritos“, de Carlos d’Abreu, editado em 2017 sob a chancela da editora Lema d’Origem.

A narratividade dos poemas, associada ao tom coloquial, constitui outro traço distintivo da poética do autor. Muitos dos carmes, em todos os andamentos, evocam as narrativas mágicas e imemoráveis que vão passando de geração em geração. Esta narratividade, coadjuvada pelo ritmo rápido e cadenciado da quadra, predetermina a atenção do leitor para a reflexão e a procura de ‘novos sentidos e possibilidades’”.

Créditos da imagem: Pepe Posse (Ferrol, 2018)

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade