Informativo Digital

Covid-19: farmácias escreveram ao primeiro-ministro

Rede pede acesso urgente a máscaras, desinfectantes e paracetamol a preços normais de mercado. Farmácias apresentam à ASAE 100 páginas de documentos que indiciam especulação por parte de empresas de ocasião. ANF recomenda autorregulação de preços às suas associadas.

928

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

A Associação Nacional das Farmácias pediu hoje a intervenção do Governo com vista a repor o abastecimento de produtos de primeira necessidade para combater a crise sanitária provocada pelo coronavírus. «Máscaras, gel desinfectante, paracetamol, termómetros, matéria-prima para manipulados e equipamento de protecção individual desapareceram quase totalmente das farmácias», alerta a Direcção da ANF em carta ao primeiro-ministro.

As farmácias «vêem-se forçadas a abandonar à sua sorte muitas pessoas, cujas necessidades não conseguem satisfazer», descreve o documento. Para adquirirem esses produtos, «as farmácias têm de pagar preços especulativos e, mesmo assim, não conseguem adquirir quantidade suficiente» para garantir a segurança das suas próprias equipas e de instituições como lares de idosos.

Como contributo para o restabelecimento da normalidade do mercado, a ANF entregou à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) um dossier de 100 páginas com facturas e propostas comerciais apresentadas às farmácias por dezenas de empresas nacionais e importadoras, na sua maioria estranhas ao mercado de produtos farmacêuticos. Frascos de 30 ml de álcool em gel a 5€, máscaras entre 7€ e 38€, garrafões de cinco litros de desinfectante a 79€ e termómetros a 97€ são alguns dos preços de aquisição que estão a ser propostos às farmácias. A ANF «felicita a ASAE pelas suas acções com vista a normalizar o funcionamento do mercado» e disponibiliza-se para contribuir permanentemente para isso com informação.

O preço de venda ao público destes produtos de primeira necessidade para o combate ao COVID-19 é livre, assim como a sua comercialização por uma multiplicidade de pequenos estabelecimentos e cadeias comerciais.

Num gesto inédito, A ANF recomendou às 2.750 farmácias suas associadas que pratiquem margens de comercialização até ao limite de 17,5%, que se aplica aos medicamentos sujeitos a receita médica comparticipados. «Sendo a margem legal das farmácias portuguesas a mais baixa da Europa, será inequívoco o contributo responsável e transparente da nossa rede no combate à pandemia», refere uma circular da ANF enviada esta manhã às farmácias.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa LPM Comunicação

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade