Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Corujas-das-torres ganham casa nova no Mosteiro de Salzedas

Visando estimular a nidificação de corujas, a Direção Regional de Cultura do Norte, em colaboração com a Junta de Freguesia de Salzedas, procedeu à instalação de três caixas-ninho no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, em Tarouca. O objetivo é estimular o regresso das corujas ao edifício, repondo o equilíbrio ambiental e ecológico.

639

Publicidade

Depois da análise e execução das caixas-ninho para a repovoação de corujas no Mosteiro de Salzedas, com o devido acompanhamento da Direção Regional de Cultura do Norte, as referidas caixas-ninho foram instaladas, no passado dia 22 fevereiro, em três pontos: Ninho 1 – no lado sul da torre sineira, Ninho 2 – na parede poente do lado sul do transepto; Ninho 3 – na parede nascente por cima da sala do capítulo.

Serão agora colocadas corujas-das-torres nos ninhos para dar seguimento ao processo de nidificação. A época de nidificação desta espécie é prolongada e variável, podendo ocorrer entre dezembro e junho. No entanto, a maior parte das posturas dão-se entre os meses de fevereiro e março.

A presença das corujas-das-torres no Mosteiro de Salzedas não é uma novidade, mas a espécie (classificada como em vias de extinção) parece ter “abandonado” o edifício há alguns anos. Agora, a expetativa é repor a população de corujas neste habitat, já que a sua presença é dissuasora dos pombos – uma das maiores ameaças para o património edificado.

A coruja-das-torres (com o nome científico Tyto alba) é uma das sete aves de rapina noturnas que existem em Portugal.

Podemos encontrá-la em áreas agrícolas, mas também em florestas pouco densas e zonas urbanas. Adaptada a estar próxima de nós, humanos, a coruja-das-torres nidifica muitas vezes em edifícios e o mesmo local pode ser ocupado durante décadas.

O primeiro censo nacional de coruja-das-torres, cuja população tem diminuído, foi lançado no início deste mês pela Universidade de Évora e pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), para conhecer a distribuição e abundância desta espécie no país.

Publicidade

Fonte desta notícia: DRCN