Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Contribuir para um sistema de saúde ágil e moderno

659
Lèlita Santos

Presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna

Mais deste autor(a)

O ano de 2022 foi de muitas esperanças e desilusões. A esperança mais concreta foi a do fim da pandemia Covid-19. Tivemos ainda a esperança de mudanças estruturais na Saúde, a esperança na recuperação do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e, mais importante, a esperança de melhoria da qualidade assistencial à população com melhor acesso aos cuidados. Afinal, não se deu a recuperação do SNS e foram muito visíveis e mediáticas as dificuldades estruturais e na organização do SNS com alguns serviços de urgência fechados, outros com muitas horas de espera para atendimento e longas filas para marcações de consultas nos Centros de Saúde.

Durante o ano de 2022 foram reconhecidas e discutidas as fragilidades do SNS que, aliás, já estavam bem diagnosticadas e apenas aguardavam e aguardam o devido tratamento. É bem conhecida uma das dificuldades mais graves, a falta de recursos humanos a todos os níveis assistenciais e em todos os grupos dos profissionais de saúde e sabe-se que, no que diz respeito aos médicos, isso condiciona o excesso de horas de trabalho, somado à falta de reconhecimento que inclui a baixa remuneração, às tarefas não clínicas que os desgastam, à falta de equipamento moderno e à organização deficitária do sistema. Estas situações conduzem a desmotivação, desanimo e cansaço, culminando na tão falada falta de atratividade da profissão, ou será do SNS?

A especialidade de Medicina Interna, é a especialidade médica mais versátil e aquela que possui a capacidade de visão integradora e global centrada no doente. É uma especialidade eminentemente hospitalar e a que melhor consegue agregar e gerir equipas multidisciplinares e multiprofissionais, mas é também, por isso, uma das que mais sente todas estas dificuldades.

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) é uma sociedade científica com um longo percurso de 71 anos. Tem atualmente cerca de 3 mil associados com vontade de, no ano de 2023, contribuir para que o SNS se reorganize e saiba atrair os seus profissionais e dar-lhes estabilidade e condições de trabalho. Como resultado final, o que de bom for feito, vai sempre melhorar as condições assistenciais e a saúde dos portugueses. O nosso foco é contribuir no avanço para um sistema de saúde ágil e moderno.

Os internistas têm feito propostas para a organização do SNS e têm dado corpo a novas formas de exercer medicina, sempre no sentido da proximidade e da disponibilidade assistencial. Todos sabemos que as respostas têm de ser integradas entre hospitais, cuidados primários e setor social e que os serviços de saúde devem ter mais autonomia, por exemplo, para a contratação de profissionais e também para se reorganizarem após a pandemia.

Esperamos que o ano de 2023 seja, para o SNS, o ano da verdadeira retoma. Todos podemos ajudar com propostas concretas e realistas. Os internistas estarão, como sempre, presentes.

A SPMI deseja a todos um excelente Ano Novo!

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade