Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

CIT apresenta as máscaras e rituais de Trás-os-Montes e do Douro numa exposição dupla a partir de 8 de fevereiro

A máscara é o elemento fundamental destes rituais e celebrações, complementando a indumentária com os trajes, os chocalhos, as varas, os cajados e outros adereços.

346

Publicidade

No dia 8 de fevereiro, o CIT – Centro de Interpretação do Território, em Sambade – Alfândega da Fé, abre portas para uma nova mostra temática, desta feita com uma exposição simultânea que destaca os rituais de inverno, designadamente as festividades do Entrudo.

As exposições simultâneas “EU e o OUTRO” e “MÁSCARAS” apresentam 36 fotografias de Manuel Gardete, representativas das máscaras rituais presentes em quinze localidades de Trás-os-Montes e Douro, captadas entre os anos de 2013 e 2018, e um conjunto de máscaras de Leonardo Maia, manifestamente influenciadas pela Commedia dell’Arte, o modelo inicial do teatro profissional que se expandiu (quase) por toda a Europa nos séculos XVI e XVIII.

A proximidade das festividades do Entrudo e as distintas tradições de celebração do carnaval neste território motivaram a escolha desta exposição que celebra os Rituais Festivos da Máscara Ibérica. Neste período, os mascarados assumem diversos papéis, sendo que cada um possui a sua própria simbologia, e tratando-se de atos sagrados, as máscaras assumem uma finalidade de culto.

A máscara é o elemento fundamental destes rituais e celebrações, complementando a indumentária com os trajes, os chocalhos, as varas, os cajados e outros adereços. Uma transformação que “eleva simples mortais ao estatuto de titãs – entidades superiores que desafiam os deuses ou celebram rituais sagrados em benefício do povo a que pertencem.”.

Os caretos, seres mágicos, sagrados e fantásticos encarnam o EU e o OUTRO com diferentes personagens, no diálogo entre o mundo do profano e do sagrado, em rituais diferenciados no tempo, do Ano Novo Celta ao solstício de Inverno, das Festas dos Rapazes aos Reis, do Entrudo à Quarta-Feira de Cinzas. A máscara aparece como ícone identitário em Trás-os-Montes e Douro, incorporando identidades e memórias coletivas, tanto nas festas e rituais no contexto das suas localidades, bem como em encontros com outros grupos.

As exposições “EU e o OUTRO” e “MÁSCARAS” estarão patente no CIT de 08 de fevereiro a 28 de abril de 2024. A entrada é livre.

Publicidade

Fonte desta notícia: Município de Alfândega da Fé