Informativo Digital

CIM das Terras de Trás-os-Montes reivindica financiamento para estudar o regadio no território

Os nove autarcas da CIM das Terras de Trás-os-Montes consideram que o investimento no regadio é determinante para o futuro da agricultura, para o desenvolvimento da economia e para o aumento da coesão territorial, constituindo-se também como uma das medidas de mitigação dos efeitos das alterações climáticas.

296

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

A CIM das Terras de Trás-os-Montes reivindica financiamento específico para a elaboração do estudo para o regadio no território, com o objetivo de implementar uma estratégia integrada neste campo e consequentemente garantir a competitividade do setor agrícola nas Terras de Trás-os-Montes. Isso mesmo foi transmitido à Ministra da Agricultura durante uma reunião que decorreu esta semana.

O encontro, que aconteceu por videoconferência, foi solicitado pela CIM tendo em vista conhecer a política do Governo para o regadio e avaliar as prioridades de investimento para o setor nas Terras de Trás-os-Montes.
Durante a reunião foi reforçada a necessidade de avançar com um estudo para a concretização do Plano Intermunicipal para a o Regadio no território, salientando que tal só será possível com a canalização das verbas necessárias para o efeito.

Os nove autarcas da CIM das Terras de Trás-os-Montes consideram que o investimento no regadio é determinante para o futuro da agricultura, para o desenvolvimento da economia e para o aumento da coesão territorial, constituindo-se também como uma das medidas de mitigação dos efeitos das alterações climáticas. Num território em que sete dos nove concelhos estão incluídos em áreas classificadas como suscetíveis de desertificação e com carência de regadio elevada ou muito elevada a elaboração deste estudo é fundamental para potenciar o desenvolvimento sustentável da agricultura, contrariando a desertificação a que o território está exposto.

Pretende-se com este Plano identificar o potencial hídrico e hidroagrícola das Terras de Trás-os-Montes, estudar modos de armazenamento, captação e distribuição e simultaneamente os locais onde se deverão reabilitar, requalificar ou construir as novas infraestruturas hidráulicas. Para fazer este Plano a CIM estima que serão necessários cerca de 200 mil euros. Sendo assim, solicitaram apoio à Ministra da Agricultura e defenderam a abertura de um Aviso para financiamento deste estudo. Este é um instrumento determinante para a realização de investimentos no âmbito do próximo Quadro Comunitário de Financiamento- Portugal 2030.

A CIM das Terras de Trás-os-Montes estranha a falta de recetividade do Ministério da Agricultura a esta proposta até porque foi aberto, recentemente, pelo mesmo Ministério, um concurso para estudar a viabilidade do Regadio no Vale do Tejo e Oeste. A CIM das Terras de Trás-os-Montes quer tratamento equitativo para o território e continua a defender que o investimento no regadio na região devia ser uma prioridade nacional. Este parece não ser o entendimento da tutela, daí que a CIM esteja a equacionar a possibilidade de financiar o estudo com fundos próprios sob pena de se perder a possibilidade de realizar os investimentos necessários no âmbito novo quadro comunitário de apoio.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa CIM Terras de Trás -os-Montes | Sónia Lavrador

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade