Informativo Digital do Nordeste Transmontano

Chegou ao fim o ciclo “O Verão do Nosso Desconfinamento”

A Praça Cénica, terraço que oferece uma panorâmica única para a cidade, o Parque Corgo e as serras do Marão e Alvão, acolheu cerca de 800 espectadores, incluindo turistas de visita à região e público de outras cidades do interior e do litoral que veio de propósito assistir aos espectáculos.

0 722

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

Chegou ao fim o ciclo ‘O Verão do Nosso Desconfinamento’, que assinalou um primeiro regresso do Teatro Municipal de Vila Real à programação regular e durante cinco semanas apresentou um leque de propostas artísticas com uma diversidade de géneros que passou pelo cinema, o teatro, a poesia e a música.

A Praça Cénica, terraço que oferece uma panorâmica única para a cidade, o Parque Corgo e as serras do Marão e Alvão, acolheu cerca de 800 espectadores, incluindo turistas de visita à região e público de outras cidades do interior e do litoral que veio de propósito assistir aos espectáculos.

Dadas as limitações que as actuais circunstâncias impõem, a lotação possível do espaço foi inferior à procura de bilhetes, o que é um sinal da vontade que o público tem de continuar uma vida cultural activa e participativa. O público, de facto, correspondeu admiravelmente, não só lotando quase todos os espectáculos mas também seguindo de maneira responsável e exemplar as orientações de segurança.

Foram catorze espectáculos, catorze fantásticas noites de Verão num ambiente e paisagem únicos, em que a participação de artistas locais serviu também para mostrar o bom nível de criatividade e qualidade artística que se pode encontrar na região.

Além das sessões de cinema ao ar livre, passaram pelo palco da Praça Cénica os seguintes artistas: Bié, Ángel Fragua, Lula Pena, Fábio Timor e Ricardo Tojal, Tainá, Charlie Mancini, Birds Are Indie, Susana Lopes, Evelyne Monteiro, Fábio Meneses, Diogo Moutinho e José Alexandre Marques (Quinteto de Sopros da Banda Sinfónica Transmontana), Vítor Hugo Ribeiro e Ari Martins (L Pertués), André Gago e Sandra Martins.

Recorde-se que o nome deste ciclo de programação se inspirou no título do romance «O Inverno do nosso descontentamento», de John Steinbeck, que por sua vez evoca as primeiras linhas da peça «Ricardo III», de William Shakespeare: «O Inverno do nosso descontentamento / Que este filho de York torna Verão glorioso / Um sol que as nuvens ensombrando a nossa casa / Vem dispersar, enterrando-as no oceano.»

A programação deverá regressar ao Teatro de Vila Real após o final do Verão. Até lá, podem ser visitadas as exposições patentes no Museu do Som e da Imagem e na Sala de exposições. Neste espaço está em exibição até ao final do mês a mostra de fotografia do Prémio Estação Imagem 2019, um importante prémio nacional de fotojornalismo, e, a partir de Setembro, uma extensão da 10.ª Bienal de Gravura do Douro.

O Teatro e as exposições estarão abertas ao público no horário 14h00-20h00, de terça a sábado.

Publicidade

Fonte desta notícia: Nota de Imprensa Teatro de Vila Real
Créditos da imagem: Teatro de Vila Real
Comentários
carregar...

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade