Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Centros sociais de Grijó e Carrapatas contemplados com Prémio BPI

Este prémio BPI “la Caixa” Rural edição de 2020, no valor de 46.280 euros, resultou da apresentação de uma candidatura conjunta destes dois centros sociais paroquias que têm vindo a criar parcerias sólidas, trabalhando e projetando a União de Serviços destes Centros, para um cuidado mais humanizado e próximo.

331

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

O Centro Social Paroquial S. Geraldo de Carrapatas em parceria com o Centro Social Stª. Maria Madalena de Grijó foram este ano contemplados com o Prémio BPI la caixa – Rural. Trata-se de um Prémio que tem em vista a atribuição de apoios financeiros a projetos de cariz nacional que, no âmbito da sua intervenção, promovam a melhoria da qualidade de vida e a igualdade de oportunidades de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Este prémio BPI “la Caixa” Rural edição de 2020, no valor de 46.280 euros, resultou da apresentação de uma candidatura conjunta destes dois centros sociais paroquias que têm vindo a criar parcerias sólidas, trabalhando e projetando a União de Serviços destes Centros, para um cuidado mais humanizado e próximo.

O projeto tem o nome de Caminhos para a VIDA (Valorização Interajuda Dignidade Amor) propõe fazer um upgrade à resposta de SAD já existente nas duas instituições, melhorando-a significativamente, tornando-a numa resposta otimizada, tendo já na sua base, um novo modelo de prestação de serviços (ancorado na União de Serviços das Instituições).

Este upgrade virá acrescentar valor aos serviços contratualizados instituídos no Manual da Qualidade, numa vertente de envelhecimento ativo, de promoção da autonomia e independência da pessoa potenciando os cuidados de saúde (otimizando-o através da distribuição semanal de um sistema PIM e do acompanhamento personalizado do enfermeiro) e sociais de proximidade, permitindo viver uma velhice com qualidade e segurança, retardando ao máximo a institucionalização. Pretende-se ainda alargar a resposta para áreas a descoberto”, refere fonte das instituições.

O serviço que pretendemos implementar preconiza ainda que a comunidade seja o contexto personalizado, transformando a casa de cada pessoa no centro dos cuidados.Por outro lado, no seu contexto territorial, dar-lhes vez, voz e valor, tornando-os protagonistas da sua riqueza cultural e patrimonial, num diálogo entre gerações onde o voluntariado juvenil tem um papel preponderante“, concluiem num comunicado de imprensa.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade