Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Centro de Arte Contemporânea Graça Morais passa a integrar a RPAC -Norte

Trata-se de uma iniciativa, cofinanciada por fundos comunitários, promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte, com o apoio da Turismo do Porto e Norte de Portugal, das entidades envolvidas e das autarquias de cada concelho.

449

Publicidade

O Centro de Arte Contemporânea Graça Morais é um dos 13 Museus e Centros de Arte e de Arquitetura Contemporânea da Região Norte que integra a RPAC – Norte (Rede Portuguesa de Arte Contemporânea).

Trata-se de uma iniciativa, cofinanciada por fundos comunitários, promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte, com o apoio da Turismo do Porto e Norte de Portugal, das entidades envolvidas e das autarquias de cada concelho, nomeadamente a de Bragança, com o objetivo de valorizar os destinos turísticos de Trás-os-Montes, Porto, Douro e Minho.

A RPAC – Norte pretende, assim, dar a conhecer mais de 11 mil obras de arte nas 11 cidades que acolhem os 13 Museus e Centros de Arte e de Arquitetura Contemporânea do Norte do País.

Neste mês de março, decorreram já visitas técnicas aos 13 equipamentos, com o objetivo de conhecer a arquitetura dos próprios espaços, bem como as obras de arte que acolhem.

Atualmente, estão em curso ações de recolha de imagens e de informação, com vista à preparação de conteúdos de comunicação e de promoção da RPAC – Norte e da criação do website www.rpacnorte.pt, onde estarão reunidas todas as iniciativas associadas ao projeto, apresentado na BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa.

Ao promover o turismo na Região Norte, a partir dos 13 Museus e Centros de Arte e de Arquitetura Contemporânea, a Rede integra, também, um conjunto de atores locais (como estabelecimentos de restauração e alojamento), por forma a que os turistas e visitantes tenham, ao seu dispor, um roteiro completo.

Além do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança, estão mais 12 entidades envolvidas na RPAC – Norte: Casa do Design e a Casa da Arquitectura, em Matosinhos; o Museu Bienal de Cerveira, em Vila Nova de Cerveira; a Fundação Serralves e o Instituto Marques da Silva, no Porto; o Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende, em Gondomar; o Centro de Arte Oliva, em São João da Madeira; o Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso; o Museu do Surrealismo – Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão; o Centro Internacional das Artes José de Guimarães, em Guimarães; o Museu Municipal Amadeo Souza-Cardoso, em Amarante, e o Museu de Arte Contemporânea de Chaves – Nadir Afonso.

Publicidade

Fonte desta notícia: Município de Bragança

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade