Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

CCDR-NORTE debate sustentabilidade do território duriense e valorização de produtos locais

CCDR-NORTE debate sustentabilidade do território e valorização de produtos locais no festival “Tomate Coração de Boi do Douro”, na próxima sexta-feira. Iniciativa integra programa dos “20 Anos do Douro Vinhateiro Património Mundial” e tem lugar na Quinta de Nápoles

409

Publicidade

Leitura automática

“Onde tem o Douro o coração?” A CCDR-Norte e os 20 Anos do Douro Vinhateiro Património Mundial associam-se ao Festival “Tomate Coração de Boi do Douro” e organizam, em parceria, um debate sobre a importância da valorização dos produtos locais na promoção e sustentabilidade do território.

O evento, em formato de mesa-redonda, acontece a 26 de Agosto, pelas 18 horas, na Quinta de Nápoles (Niepoort), em Armamar, e conta com a participação de Célia Ramos, vice-presidente da CCDR-NORTE, António Monteiro, assessor da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, Ana Maria Barata, coordenadora do Banco Português de Germoplasma Vegetal, Teresa Andresen, arquiteta paisagística e engenheira agrónoma, e moderação do jornalista e curador do projeto de valorização do Tomate Coração de Boi do Douro, Edgardo Pacheco.

A sustentabilidade de uma paisagem cultural como a do Douro Património Mundial depende hoje e dependerá, no futuro, da salvaguarda e valorização dos seus atributos patrimoniais únicos e da diversificação da base económica local”, considera Célia Ramos, vice-presidente da CCDR-NORTE. “A atividade agrícola tem aí um papel fundamental, se baseada em produtos autênticos, de qualidade e respeitadores do ambiente, e da indispensável presença humana. É também esse o debate que importa fazer”, sublinha.

Apesar do peso estruturante da cultura da vinha, o Douro é tudo menos um território monocórdico. O vale de xisto constitui o terroir perfeito para a cultura do Tomate Coração de Boi, mas importa perceber também como é que se pode criar valor acrescentado com esta cultura”, contextualiza Edgardo Pacheco. Neste espírito, acrescenta o especialista em produtos de terroir, “entendemos que a festa do tomate deve ter igualmente uma dimensão cultural e económica associada”, integrando no programa uma conversa à volta da ciência e do papel que este fruto único pode ter na promoção do Douro.

No dia 27 de agosto, a 7ª edição do prestigiado Festival “Tomate Coração de Boi do Douro” viaja até à aldeia de Arroios, em Vila Real.

Publicidade

Fonte desta notícia: CCDR-N

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade