Informativo Digital do Nordeste Transmontano

“Carrossel”, poema de Jesús Lizano

Poemário, rúbrica de Carlos d’Abreu, raiano do Douro Transmontano (1961), Geógrafo (USAL/UC), Arqueólogo (UP/USAL) e Historiador (UPT/USAL), colaborador do Centro de Literatura Portuguesa (UC); investigador, poeta (e diseur), antologista e tradutor; conta com várias publicações nestas áreas.

0 941

Carrossel

Que instalem carrosséis
em todas as ruas,
que encham de carrosséis as cidades.
Há séculos
que andamos com esse invento de feira em feira
sem descobrir a sua humaníssima aventura.
Que celebrem os noivos
a sua viagem no carrossel,
de cavalinho em cavalinho.
Que cada família tenha o seu carrossel,
todos ao carrossel!
Que os amigos
falem e sonhem e discutam
dando voltas no carrossel.
Nele celebrem os seus conselhos de ministros,
enquanto houver ministros,
e nele se reúnam os senhores bispos,
naturalmente, revestidos
de senhores bispos,
enquanto houver bispos.
Os pobres montam no carrossel para rir-se do mundo
e os ricos,
que subam os ricos ao carrossel
enquanto todos os aplaudimos!
E os senhoritos!
Que subam os senhoritos!
E venham todos os solitários, todos os vagabundos.
E o congresso dos deputados
será o congresso dos cavalinhos de madeira.
E os empresários, que risa, os empresários!
Que subam os empresários com os seus assalariados,
enquanto houver salários.
Os salários do medo!
E, já agora: comités centrais,
máfias, seitas, castas, clãs, etnias:
aos cavalinhos!
E os músicos com os guarda-venatórios,
e o presidente da câmara e os vereadores
com as vendedeiras e os padeiros.
Viva! Viva!
Gritarão as crianças quando virem
que sobem os Honoráveis.
Vamos, Honoráveis!:
Ao carrossel!
Vamos à cidade para andar nos cavalinhos,
Dirão as monges aos seus abades.
E os académicos:
que se reúnam os académicos no carrossel
e que encerram todas as academias.
Ah, se todos os filósofos tivessem andado no carrossel!
Que instalem carrosséis em todos os cárceres,
nos quartéis,
nos hospitais,
nos frenopáticos
e que fujam todos
montados nos cavalinhos.
E todos os juízes ao carrossel,
vamos! vamos! Aos cavalinhos!
E nada de processos e de sentenças!
Já basta julgar os efeitos e não as causas!
Aos cavalinhos!
E que todos os funerais
se celebrem montados nos cavalinhos do carrossel.
São as novas ordenações,
são os novos preceitos:
todos ao carrossel!
A cavalgada do carrossel!
À confederação de todos os carrosséis!
Até que todos sejamos crianças…

Jesús Lizano

``Carrossel``, poema de Jesús Lizano
Poemário de Carlos d'Abreu
``Carrossel``, poema de Jesús LizanoPoemário de Carlos d'Abreu
{{svg_share_icon}}
{{heart_svg}}GostoGostei Descarregar
0

Jesús Lizano foi um poeta e um pensador libertário espanhol, ligado ao movimento anarquista. Defendeu o Misticismo Libertário que concebia a evolução a partir do mundo selvagem, onde convergem todos os animais excepto a espécie humana, que agora está estagnada no mundo político real, a caminho do mundo real poético .

Estudou filosofia e leccionou, onde foi alcunhado “Antiseñor Lizano” por garantir a aprovação de todos os alunos. Publicou periodicamente “A coluna poética e o poço político” na revista libertária Polémica publicada em Barcelona. Escreveu em jornais.A Sua poesia era oral, o que o levou a participar em numerosos recitais participativos e apaixonados, dos quais existem alguns testemunhos em vídeo que ele editou.

“…exemplo de luta em defesa da humanidade
e de todas aquelas causas justas às quais dedicou a vida… que a sua figura e a sua obra de luta social a favor dos desiguais seja seguida e recordada por muito tempo…”

Publicidade

Publicidade

Comentários
carregar...

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade