Informativo Digital

“Carrossel”, poema de Jesús Lizano

Poemário, rúbrica de Carlos d’Abreu, raiano do Douro Transmontano (1961), Geógrafo (USAL/UC), Arqueólogo (UP/USAL) e Historiador (UPT/USAL), colaborador do Centro de Literatura Portuguesa (UC); investigador, poeta (e diseur), antologista e tradutor; conta com várias publicações nestas áreas.

1.026

Carrossel

Que instalem carrosséis
em todas as ruas,
que encham de carrosséis as cidades.
Há séculos
que andamos com esse invento de feira em feira
sem descobrir a sua humaníssima aventura.
Que celebrem os noivos
a sua viagem no carrossel,
de cavalinho em cavalinho.
Que cada família tenha o seu carrossel,
todos ao carrossel!
Que os amigos
falem e sonhem e discutam
dando voltas no carrossel.
Nele celebrem os seus conselhos de ministros,
enquanto houver ministros,
e nele se reúnam os senhores bispos,
naturalmente, revestidos
de senhores bispos,
enquanto houver bispos.
Os pobres montam no carrossel para rir-se do mundo
e os ricos,
que subam os ricos ao carrossel
enquanto todos os aplaudimos!
E os senhoritos!
Que subam os senhoritos!
E venham todos os solitários, todos os vagabundos.
E o congresso dos deputados
será o congresso dos cavalinhos de madeira.
E os empresários, que risa, os empresários!
Que subam os empresários com os seus assalariados,
enquanto houver salários.
Os salários do medo!
E, já agora: comités centrais,
máfias, seitas, castas, clãs, etnias:
aos cavalinhos!
E os músicos com os guarda-venatórios,
e o presidente da câmara e os vereadores
com as vendedeiras e os padeiros.
Viva! Viva!
Gritarão as crianças quando virem
que sobem os Honoráveis.
Vamos, Honoráveis!:
Ao carrossel!
Vamos à cidade para andar nos cavalinhos,
Dirão as monges aos seus abades.
E os académicos:
que se reúnam os académicos no carrossel
e que encerram todas as academias.
Ah, se todos os filósofos tivessem andado no carrossel!
Que instalem carrosséis em todos os cárceres,
nos quartéis,
nos hospitais,
nos frenopáticos
e que fujam todos
montados nos cavalinhos.
E todos os juízes ao carrossel,
vamos! vamos! Aos cavalinhos!
E nada de processos e de sentenças!
Já basta julgar os efeitos e não as causas!
Aos cavalinhos!
E que todos os funerais
se celebrem montados nos cavalinhos do carrossel.
São as novas ordenações,
são os novos preceitos:
todos ao carrossel!
A cavalgada do carrossel!
À confederação de todos os carrosséis!
Até que todos sejamos crianças…

Jesús Lizano

``Carrossel``, poema de Jesús Lizano
Poemário de Carlos d'Abreu
``Carrossel``, poema de Jesús LizanoPoemário de Carlos d'Abreu
{{svg_share_icon}}
{{heart_svg}}GostoGostei Descarregar
0

Jesús Lizano foi um poeta e um pensador libertário espanhol, ligado ao movimento anarquista. Defendeu o Misticismo Libertário que concebia a evolução a partir do mundo selvagem, onde convergem todos os animais excepto a espécie humana, que agora está estagnada no mundo político real, a caminho do mundo real poético .

Estudou filosofia e leccionou, onde foi alcunhado “Antiseñor Lizano” por garantir a aprovação de todos os alunos. Publicou periodicamente “A coluna poética e o poço político” na revista libertária Polémica publicada em Barcelona. Escreveu em jornais.A Sua poesia era oral, o que o levou a participar em numerosos recitais participativos e apaixonados, dos quais existem alguns testemunhos em vídeo que ele editou.

“…exemplo de luta em defesa da humanidade
e de todas aquelas causas justas às quais dedicou a vida… que a sua figura e a sua obra de luta social a favor dos desiguais seja seguida e recordada por muito tempo…”

Publicidade

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade