Categorias: Carrazeda de Ansiães

Carrazeda de Ansiães Implementa Plano Local de Desfibrilação Automática Externa

Projeto resultou do Orçamento Participativo Municipal de 2019 e prevê a aquisição de quatro desfibriladores automáticos externos, equipamentos de proteção individual para 6 operacionais e formação de 24 operacionais.
José Ramires, enfermeiro, foi o autor e proponente do projeto vencedor do Orçamento Participativo Municipal de 2019, que prevê a implementação de um Plano Local de Desfibrilação Automática Externa no concelho de Carrazeda de Ansiães.

O projeto prevê a aquisição de quatro desfibriladores automáticos externos (três fixos e um móvel), aquisição de equipamentos de proteção individual para 6 operacionais do Posto de Emergência Médica a criar no âmbito do projeto e ainda formação de 24 operacionais, de diversos grupos e setores profissionais.

Vão receber formação, em suporte avançado de vida e desfibrilação automática externa, seis elementos das Piscinas Municipais Cobertas/Descobertas, seis elementos do Agrupamento de Escolas de Carrazeda de Ansiães, seis elementos do Estádio Municipal e, ainda, seis elementos que vão integrar o Posto de Emergência Médica, neste caso Técnicos de Ambulância de Socorro. O investimento exigido é de aproximadamente 15 mil euros, foi garantido na totalidade pelo município de Carrazeda de Ansiães que esta tarde entrega os equipamentos aos serviços designados.

A implementação deste plano tinha como data marcada abril de 2020, mas com o surgimento da pandemia da doença COVID-19, não foi possível realizar a formação dos operacionais prevista e só agora estão reunidas as condições para avançar.

A doença cardiovascular é uma das principais causas de morbilidade e mortalidade no mundo ocidental, sendo no nosso país uma preocupação grave. A fibrilação ventricular é o mecanismo mais frequente da paragem cardiorrespiratória com origem cardíaca e o único tratamento eficaz nestes casos é a fibrilação elétrica precoce.

Os equipamentos adquiridos e a partir de hoje disponíveis nos serviços de socorro, se usados nos primeiros minutos (entre 3 a 5 minutos) aumentam a probabilidade de sobrevivência entre 30 a 70%.

Este tratamento é eficaz em casos, ainda demasiado frequentes, da dita morte súbita, que acontece em pessoas de todas as idades e com muitos casos conhecidos publicamente associados a desportistas, daí a importância de colocar os desfibriladores em escolas, nas piscinas e no estádio municipal, bem como a necessidade de formar técnicos nestes locais para que saibam proceder de forma adequada, segura e eficaz.

A Câmara Municipal enaltece a importância desta proposta apresentada por um cidadão, pelo impacto e mais-valia que representa para toda a sociedade.

Comentar