Informativo Digital

Bragança: Há cidades que nos seduzem!

Este é um quadro antigo, testemunho precioso da história de uma terra fronteiriça. Na velha cidadela sente-se ainda a vivência do ancestral, o silêncio a encher-nos de paz e o velho edifício da Domus Municipalis a encher-nos os olhos.

Localização

Há cidades que se entranham no olhar. Bragança é uma delas. Não é uma cidade grande, nem tem engarrafamentos. A vida aqui flui com mais tempo, o tempo suficiente para deixarmos pousar com calma o olhar na velha cidadela ou na pacatez do Parque Natural de Montesinho.

Este é um quadro antigo, testemunho precioso da história de uma terra fronteiriça. Na velha cidadela sente-se ainda a vivência do ancestral, o silêncio a encher-nos de paz e o velho edifício da Domus Municipalis a encher-nos os olhos.

Domus Municipalis  é , se dúvida, um edifício com um carácter singular, o único testemunho do país onde se pensa terem sido praticados os princípios elementares da democracia numa altura em que o conceito ainda não existia.

Raro exemplar da arquitectura civil, vive abraçado à igreja de Santa Maria. Pensa-se que o edifício sempre teve uma dupla vocação: casa de reuniões municipais e cisterna de abastecimento de água da localidade. Esta dupla funcionalidade é conjecturada a partir de alguma documentação da época medieval, onde, frequentemente surge denominado como “Casa da Água” e depois como “Casa da Câmara” ou Paço Municipal.

A data da sua construção tem sido objecto de alguma controvérsia. “ Estudos recentes com base em análise dos aspectos artísticos e da documentação coeva parecem ter estabilizado a data de construção na segunda metade do século XIV”.

Não muito longe do Museu Abade de Baçal o visitante poderá encontrar o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais , edifício setecentista que foi recentemente recuperado e ampliado a partir de um projecto do Arquitecto Souto Moura para aqui expor obras da pintora transmontana Graça Morais. Além da exposição permanente desta autora, o centro acolhe exposições temporárias de referência nacional e internacional.Dentro das muralhas da antiga vila instalou-se em 2007 um espaço de divulgação das tradições relacionadas com as máscaras do Nordeste Transmontano e da Região de Zamora. O Museu Ibérico da Máscara e do Traje  é “um lugar único onde se encontram expostas máscaras, trajes, adereços e objectos feitos por artesãos portugueses e espanhóis e usados nas “Festas de Inverno” em Trás-os-Montes e Alto Douro e em Zamora”.

Ainda dentro da cidadela há ainda um tempinho para visitar o Museu Militar  que ocupa todo o interior da Torre do Castelo “ impondo-se como espaço memória das vivências militares da cidade, porquanto a maioria das peças originais foram doadas pelos habitantes, participantes nas Campanhas de África e 1ª Guerra Mundial”.

Mas a cidade tem muito mais para oferecer. Logo ao fundo da cidadela vai encontrar um edifício de traçado simples que acompanha uma estreita ruela, com grandes dimensões, pintado de branco, onde se instalou o Museu Abade de Baçal .

Esta é uma casa de cultura por excelência que faz a mais eloquente e merecida homenagem ao padre sábio de Baçal. Aqui se encontra um riquíssimo espólio arqueológico e etnográfico que constituem hoje preciosos documentos para a caracterização da cultura transmontana.

De referência para a cidade e um ponto obrigatório de qualquer visita é também o Centro de Ciência Viva/Casa da Seda . “Inaugurado em 2007, é constituído por dois espaços: o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (projecto da arquitecta italiana Giulia Appolonia, com soluções inovadoras de climatização e energia) e a Casa da Seda instalada num antigo moinho recuperado (de entre os vários que fabricavam neste troço do rio Fervença). Espaços lúdicos experimentais, vocacionados para visitas com crianças em idade escolar”.

Não parta sem uma visita ao coração do Parque Natural de Montesinho . Região povoada desde há milénios, conserva vestígios arqueológicos em muitas das suas aldeias, a que se juntam verdadeiros quadros pictóricos patentes numa paisagem ainda bem preservada.

Se num dia destes lhe apetecer um pouco de paz e sossego venha até ao Nordeste e comece por visitar a capital deste território. Aqui ficam algumas sugestões.

Bragança: Locais a visitar:

Cidadela/ Domus Municipalis
Museu Militar

Museu do Abade de Baçal
O Núcleo Museológico da CP
Museu Ibérico da Máscara e do Traje
Centro de Arte Contemporânea Graça Morais
Centro de Ciência Viva/Casa da Seda
Igreja e Convento de S. Francisco
Igreja de São Vicente
Igreja da Sé
Igreja da Misericórdia
Convento e Igreja de Santa Clara
Actual Paço Episcopal
Mosteiro Castro de Avelãs
Parque Natural de Montesinho

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade