Informativo Digital

Mirandela instala Desfibrilhadores Automáticos Externos em instalações desportivas

Instalações desportivas do Pavilhão Gimnodesportivo do Inatel e do Campo Desportivo da Reginorde passam a estar equipadas com Desfibrilhadores Automáticos Externos.

1.654

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Publicidade

A Autarquia de Mirandela instalou Desfibrilhadores Automáticos Externos em instalações desportivas do município. Os Desfibrilhadores Automáticos Externos (DAEs) são dispositivos eletrónicos portáteis que, em situações de paragem cardiorrespiratória, analisam o ritmo cardíaco e nas situações indicadas aplicam um choque elétrico com o intuito de se retomar um ciclo cardíaco normal e assim evitar a morte da vítima.

Tendo em conta que o Pavilhão Gimnodesportivo do Inatel e o Campo Desportivo da Reginorde são equipamentos desportivos vocacionados para o desenvolvimento de atividades nas áreas recreativa, formativa e de competição, pretende-se assegurar que estas importantes infraestruturas no desenvolvimento desportivo atual façam parte da rede de DAE, após a implementação de um primeiro dipositivo na Piscina Municipal de Mirandela“, anubnciou o município em Nota de Imprensa.

O Município de Mirandela passa assim a contar com a implementação de um Programa DAE alargado a três infraestruturas e com um aumento de 6 para 24 operacionais formados para operar este sistema.

A paragem cardiorrespiratória de origem cardíaca é a principal causa de mortalidade nos países desenvolvidos. Em Portugal estima-se que ocorram 10.000 casos todos os anos acontecendo quase sempre de forma súbita, inesperada e fora do meio hospitalar. Na grande maioria dos casos o único tratamento eficaz é a desfibrilhação elétrica (choque) e o factor mais importante para o sucesso da intervenção é o tempo que decorre entre o colapso da vítima e o início de manobras de Suporte Básico de Vida e a utilização de um desfibrilhador. Estudos demonstram que em Portugal a taxa de sobrevivência de uma vítima de paragem cardiorrespiratória presenciada é inferior a 3%. Este valor compara com uma taxa de sobrevivência de 74% em locais com Programas DAE“, salienta-se na mesma Nota de Imprensa.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade