Informativo Digital de Trás-os-Montes e Alto Douro

Ateliê poético no Agrupamento de Escolas de Macedo de Cavaleiros

Residências poéticas de autores ibero-americanos de língua espanhola, realizadas durante a pandemia em escolas portuguesas, e de poetas de língua portuguesa (Portugal, Angola, Brasil) em países de língua espanhola resultam em vídeo que traduz o intercâmbio entre os dois idiomas e as diversas formas que a poesia pode assumir num desafio emotivo.

147

Publicidade

Foi ontem divulgado, numa sessão online moderada por Ana Paula Laborinho, diretora da Direção Geral de Bilinguismo e Difusão da Língua Portuguesa, da Organização de Estados Ibero-americanos, o resultado dos ateliês poéticos realizados com alunos do ensino secundário. Portugal recebeu quatro poetas diferentes em quatro instituições de ensino.

Madalena Vieira, estudante do Agrupamento de Escolas de Macedo de Cavaleiros declama um poema da aluna Diana Pedreiro. Este é um dos textos poéticos que resultou do trabalho realizado pela poetisa Jenny Zarit Bautista Rojas, de nacionalidade colombiana, com alunos portugueses. Descreve esta experiência como muito positiva de “partilha de emoções, de levá-los a compreender (aos alunos) que sentimentos como a tristeza, a alegria e a dor podiam ser transformados, de alguma forma, nestas palavras harmoniosas (…)”

El tiempo es amar y perder
Es crecer y entender
Es la hora del nunca más
Es la ampolleta sin tiempo
Perdida en la mirada de una sonrisa que deseo alcanzar
Es el barco sin vela que viaja en alta mar
Perdida en el desierto solita a deambular
Rodeado de personas que no lo ven pasar
Estos poemas son míos
Cada día ve la esperanza
Que nuestra sociedad
Deje de ser hipócrita
Que empiece a valorizar
La sinceridad, la empatía, la diferencia
Y que un día pueda cambiar
Nos encontramos muy preocupados con las prisas de nuestro día
y nos olvidamos de compartir momentos de alegria

Diana Pedreiro, de Macedo de Cavaleiros.

Gian Pierre Codarlupo Alvarado, de nacionalidade peruana fez a sua residência na escola Secundária D. João II em Setúbal, Valentina Lara Suarez, de nacionalidade colombiana no Agrupamento Escolar Gabriel Pereira em Évora, Soledad Vignolo, argentina, trabalhou com os alunos do Agrupamento Escolar de Albufeira Poente e Jenny Zarit Bautista Rojas, de nacionalidade colombiana, no Agrupamento Escolar de Macedo de Cavaleiros.

O projeto foi lançado a 5 de maio de 2019, no âmbito do Dia Mundial da Língua Portuguesa, e previa que poetas da língua portuguesa (de países membros da OEI e da CPLP) fossem fazer residências, na altura, presenciais, a escolas em países de língua espanhola e vice-versa. Contudo, o início da pandemia obrigou a que as residências poéticas passassem a virtuais. O júri selecionou 17 projetos que podiam ir de poesia escrita, a slam poetry, canções ou outra forma deste género literário.

Sobre a Organização de Estados Ibero-americanos (OEI)
Sob o lema “Fazemos a cooperação acontecer”, a Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI) é, desde 1949, o primeiro órgão intergovernamental de cooperação Sul-Sul do espaço ibero-americano. Atualmente, 23 Estados-Membros fazem parte da organização e conta com 19 escritórios nacionais, além da Sua Secretaria-Geral em Madrid.
Com mais de 400 convénios ativos com entidades públicas, universidades, organizações da sociedade civil, empresas e outras organizações internacionais, a OEI representa uma das maiores redes de cooperação da Ibero-América. Entre os seus resultados, a organização tem contribuído para a redução drástica do analfabetismo na Ibero-América, a alfabetização e a educação a 4,7 milhões de alunos, bem como a formação para mais de 200.000 professores ibero-americanos.

Publicidade

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade