Informativo Digital do Nordeste Transmontano

“As pessoas curvas”, poema de Jesús Lizano

Poemário, rúbrica de Carlos d’Abreu, raiano do Douro Transmontano (1961), Geógrafo (USAL/UC), Arqueólogo (UP/USAL) e Historiador (UPT/USAL), colaborador do Centro de Literatura Portuguesa (UC); investigador, poeta (e diseur), antologista e tradutor; conta com várias publicações nestas áreas.

0 1.033

As pessoas curvas

A minha mãe dizia: eu gosto
das pessoas rectas.

Pois eu gosto das pessoas curvas,
das ideias curvas,
dos caminhos curvos,
porque o mundo é curvo
e a terra é curva
e o movimento é curvo;
e gosto das curvas
e dos peitos curvos
e dos cus curvos,
dos sentimentos curvos;
a embriaguez: é curva;
as palavras curvas;
o amor é curvo;
o ventre é curvo!
o diverso é curvo.

Eu gosto dos mundos curvos;
o mar é curvo,
o riso é curvo,
a alegria é curva,
a dor é curva;
as uvas: curvas;
as laranjas: curvas;
os lábios: curvos;
e os sonhos: curvos;
os paraísos: curvos
(não há outros paraísos);
eu gosto da anarquia curva.

O dia é curvo
e a noite é curva;
a aventura é curva!
E não gosto das pessoas rectas,
do mundo recto,
das ideias rectas;
eu gosto das mãos curvas,
dos poemas curvos,
das horas curvas:
contemplar é curvo!
(nas que podes contemplar as curvas
e conhecer a terra);
os instrumentos curvos,
não as facas, não as leis:
não gosto das leis porque são rectas,
não gosto das coisas rectas,
os suspiros: curvos;
os beijos: curvos;
as carícias: curvas.

E a paciência é curva.

O pão é curvo
e a metralha recta.

Não gosto das coisas rectas
nem da linha recta:
perdem-se
todas as linhas rectas;
não gosto da morte porque é recta,
é a coisa mais recta, a mais escondida
por trás das coisas rectas;
nem dos professores rectos
nem das professoras rectas:
eu gosto dos professores curvos,
das professoras curvas.

Não dos deuses rectos:
livrem-nos os deuses curvos dos deuses rectos!
O banho é curvo,
a verdade é curva,
eu não resisto às verdades rectas.
Viver é curvo,
a poesia é curva,
o coração é curvo.

Eu gosto das pessoas curvas
e fujo, por serem peste, das pessoas rectas.

Jesús Lizano

``As pessoas curvas``, poema de Jesús Lizano
Poemário de Carlos d'Abreu
``As pessoas curvas``, poema de Jesús LizanoPoemário de Carlos d'Abreu
{{svg_share_icon}}
{{heart_svg}}GostoGostei Descarregar
0

Jesús Lizano foi um poeta e um pensador libertário espanhol, ligado ao movimento anarquista. Defendeu o Misticismo Libertário que concebia a evolução a partir do mundo selvagem, onde convergem todos os animais excepto a espécie humana, que agora está estagnada no mundo político real, a caminho do mundo real poético .

Estudou filosofia e leccionou, onde foi alcunhado “Antiseñor Lizano” por garantir a aprovação de todos os alunos. Publicou periodicamente “A coluna poética e o poço político” na revista libertária Polémica publicada em Barcelona. Escreveu em jornais.A Sua poesia era oral, o que o levou a participar em numerosos recitais participativos e apaixonados, dos quais existem alguns testemunhos em vídeo que ele editou.

“…exemplo de luta em defesa da humanidade
e de todas aquelas causas justas às quais dedicou a vida… que a sua figura e a sua obra de luta social a favor dos desiguais seja seguida e recordada por muito tempo…”

Publicidade

Publicidade

Comentários
carregar...

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade