Informativo Digital do Nordeste Transmontano

“40 x abril em Lejuad”, poema de Carlos d’Abreu

Poemário, rúbrica de Carlos d’Abreu, raiano do Douro Transmontano (1961), Geógrafo (USAL/UC), Arqueólogo (UP/USAL) e Historiador (UPT/USAL), colaborador do Centro de Literatura Portuguesa (UC); investigador, poeta (e diseur), antologista e tradutor; conta com várias publicações nestas áreas.

0 428

40 x abril em Lejuad

Querem mas não podem encaminhar pelo intenso sol a morte
                                                                                              Carlos Sambade

esta noite acolhe-me o deserto,
a luz da estrela polar e do cruzeiro do sul,
o uivo da raposa e dos monstros que povoam
as paredes dos abrigos sob os incelbergs.

acolhe-me a luz da fogueira acesa pelos berberes
que na areia cozeram o nosso pão.

acolhe-me todo o universo
neste seu canto desolado,
num abril que lembra uma criança,
carregando com escarlate cravo uma espingarda.

ao espaço sideral e aos filhos do Sahara,
lanço odes libertárias compassadas

e os guerrilheiros polisários denunciam:
el muro, el muro de la vergüenza…
el muro, el muro de la vergüenza…

verbos da ibéria entrecruzados
em lábios de argonautas sulcando ventos africanos,
verbos e lábios, todos a bordo do poema,
do poema-grito: LIBERDADE!

Carlos d’Abreu

40 x abril em Lejuad
Poemário de Carlos d'Abreu
40 x abril em LejuadPoemário de Carlos d'Abreu
{{svg_share_icon}}
{{heart_svg}}GostoGostei Descarregar
0

“40 x abril em Lejuad”, integra o livro de poesia “[des(en)]cantos e (alguns) gritos“, de Carlos d’Abreu, editado em 2017 sob a chancela da editora Lema d’Origem. Um poema referente aos 40 anos do 25 de Abril, estando o autor em pleno deserto do Sahara em companhia dos guerrilheiros da Frente Polisário.

A narratividade dos poemas, associada ao tom coloquial, constitui outro traço distintivo da poética do autor. Muitos dos carmes, em todos os andamentos, evocam as narrativas mágicas e imemoráveis que vão passando de geração em geração. Esta narratividade, coadjuvada pelo ritmo rápido e cadenciado da quadra, predetermina a atenção do leitor para a reflexão e a procura de ‘novos sentidos e possibilidades’”.

Créditos da imagem:Jorge Abreu Vale

Publicidade

Créditos da imagem: Jorge Abreu Vale
Comentários
carregar...

Este website usa cookies que permitem melhorar a sua experiência na internet. Pode aceitar ou recusar a utilização desta tecnologia Aceito Política de Privacidade